Água na fervura dos caminhoneiros

 

CNTA volta a criticar paralisação e teme desgaste da categoria com a opinião pública

A chuva forte que atinge diversas cidades do Rio Grande do Sul nesta terça-feira, 10, contribui para reduzir a intensidade das manifestações dos caminhoneiros autônomos no Estado. Segundo boletim divulgado pela Polícia Rodoviária Federal às 12 horas, o RS tem 11 pontos de protestos em seis rodovias federais – BR-285, BR-472, BR-116, BR-386, BR-392 e BR-293. Em nenhum deles, no entanto, há interdição da estrada.

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, voltou a criticar a paralisação de caminhoneiros em rodovias brasileiras, que entra nesta terça-feira, 10, no segundo dia. Ele admitiu que o movimento, sem o apoio das principais entidades sindicais do setor, pode causar desgaste público à categoria.

"Qualquer movimento de greve parte de pauta de reivindicação, de uma assembleia e de uma deliberação, mas muitos neste protesto sequer têm a ver com a categoria. O desgaste é grande para nós que conseguimos ganhar respeito da opinião pública, com postura transparente e livre de vinculação política", disse Bueno, citando as negociações permanentes abertas com o governo após os protestos de fevereiro deste ano.

Segundo o presidente da CNTA, os líderes do atual movimento não têm vínculo com o setor e muitos são orientados por empresas que possuem caminhões e pedem a renúncia ou o impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. "Se você pede o impeachment da presidente Dilma, com quem vai negociar? Não tem nexo e lógica esse movimento", avaliou. "Após a paralisação de fevereiro, esse pessoal não teve proposta alguma e agora ressurge com pedido de conotação política clara que não apoiamos", completou.

Bueno avalia ainda que a facilidade de crédito para a aquisição de caminhões no passado recente trouxe um excedente de veículos para o setor de transportes sem que houvesse demanda suficiente. "Muita gente entrou iludida pelo ganho fácil e comprou caminhões em linhas com proposta de financiamento barato. Hoje, há um excedente de 300 mil caminhões no mercado e não há carga pra todo mundo. Não se trata de política de preço de frete, mas de excesso de oferta", concluiu.

ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte: DBO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *