Água e renda

Qualquer plano oficial de estímulo à irrigação que almeje uma mudança verdadeira no panorama vivido pelo Estado na atual safra tem de resolver pelo menos três problemas. A saber: 1) as restrições ambientais à construção de reservatórios de água; 2) o acesso à água para todos os produtores interessados em irrigar e não apenas para os pequenos; e 3) a oferta de energia elétrica, barata e abundante, para fazer os sistemas de irrigação funcionarem. Essa última questão foi muito bem lembrada pelo presidente da Cooplantio, Daltro Benvenuti, em almoço recente com jornalistas. Tanto que a Cooplantio está indo à China para conhecer projetos de irrigação movidos por energias eólica e solar. Quando se fala em irrigação, nem sempre se leva em conta o custo da energia. O caso da lavoura gaúcha de arroz é exemplar, como lembrou Benvenuti: tem água (cara), mas isso não garante renda aos produtores.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *