Grãos: Conab reduz produção para 250,9 mi de ton; safra ainda será recorde

Na comparação com o levantamento de abril, a entidade cortou a safra de soja em 1,4% por conta da estiagem que atinge o Sul do país

12 de maio de 2020 às 09h42
Por Francielle Bertolacini, de São Paulo

soja, grãos

Foto: Silvio Ávila/ Ministério da Agricultura

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu nesta terça-feira, 12, a projeção da produção de grãos na temporada 2019/2020 em 0,4%, na comparação com o levantamento de abril. De acordo com o órgão, a expectativa de safra está em 250,9 milhões de tonelada. Mesmo assim, a estimativa ainda é de produção recorde. Na comparação com o ciclo anterior, a safra ainda será 3,6% maior.

De acordo com a Conab, essa redução acontece por conta dos problemas climáticos que a região Sul do país enfrenta, com impactos sobre a produtividade na soja e milho.

Soja

Na comparação com o levantamento de abril, a Conab cortou a safra de soja em 1,4%. Porém, a produção, estimada em 120,3 milhões de toneladas, deve aumentar 4,6% em relação à safra 2018/2019 e ser recorde.

Apesar do forte impacto causado pelo desempenho da safra no Rio Grande do Sul, que sofre com a seca, a entidade afirma que a cultura apresentou produtividades recordes em Mato Grosso, Paraná, Goiás, São Paulo, Tocantins, Maranhão, Rondônia e Distrito Federal.

Na região Nordeste, particularmente no Matopiba, as condições climáticas trouxeram transtornos à semeadura, causando a necessidade de replantio em algumas regiões. Esse quadro melhorou, e as chuvas a partir de janeiro, favoreceram substancialmente o desenvolvimento das lavouras, sendo esperadas boas produtividades, confirmadas pelas colheitas que avançam célere para o seu término.

Milho

A produção total de milho deve alcançar 102,3 milhões de toneladas, alta de 0,5% na comparação com a projeção de abril e elevação de 2,3% na comparação com a safra 2018/2019.

  • Primeira safra

A expectativa é de queda de 1,5% em relação à safra passada, atingindo produção de 25,3 milhões de toneladas. Essa redução acontece por conta da falta de chuvas no Sul, sobretudo no Rio Grande do Sul, que prejudicou o potencial produtivo das lavouras. No estado, houve redução de 4,3%, nos níveis médios de produtividades, em relação à safra anterior.

  • Segunda safra

A Conab elevou em 0,6% a segunda safra de milho, na comparação com abril, atingindo produção de 75,9 milhões de toneladas. Essa alta aconteceu mesmo com problemas climáticos enfentados por lavouras do Paraná, Mato Grosso do Sul, em partes de Mato Grosso, Goiás e Sudeste. Na comparação com a produção da temporada 2018/2019, há expectativa de alta de 3,7%.

“Como um percentual relevante da área foi plantada fora da janela climática recomendada, as chuvas de maio serão fundamentais para as lavouras que se encontram na grande maioria em frutificação”, diz o órgão oficial.

  • Terceira safra

Houve uma elevação de 1,3% na produção em comparação com o mês anterior, mas queda de 3,9% em relação à safra 2018/2019. Nesta terceira safra, que compreende a região da Sealba (Sergipe, Alagoas e nordeste da
Bahia), Pernambuco e Roraima, a estimativa é de produção em 1,17 milhão de toneladas.

Fonte: Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *