Governo prorroga dívidas rurais

Governo federal e representantes do agronegócio acertaram, ontem, a renegociação das dívidas acumuladas pelos produtores para que eles possam acessar aos recursos do Plano Safra 2007/08. Ontem foi superado o maior impasse das tratativas: as dívidas de Investimento. O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, anunciou a prorrogação das parcelas das safras 2003/04, 2004/05 e 2005/06 com vencimento neste ano para produtores de algodão, arroz, milho, trigo e soja. Segundo o ministro, ‘eventualmente, se produtores de outras culturas, além das especificidades citadas tiverem problemas, os bancos podem e têm autorização para negociar caso a caso’. As medidas ainda dependem de aprovação do Congresso e do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Os produtores com dívidas a vencer neste ano nos programas Moderfrota, Prodecoop e Finame Agrícola Especial terão que quitar um mínimo de 30% da parcela a vencer em 2007. O restante order cialis without prescription fica postergado para um ano após o final do contrato. O produtor que pagar toda a parcela neste ano ou os 30% mínimos terá um bônus de 15% sobre o total da dívida. O refinanciamento dos programas precisará de R$ 3 bilhões.

Nas linhas de Investimento Moderagro, Moderinfra, Prodefruta, Prodeagro, Propflora, Pronaf e Proger Investimento, os produtores terão que pagar um mínimo de 20% da parcela que vence em 2007. can you buy prescription drugs online without a prescription O bônus para quem pagar o débito neste ano ou o percentual mínimo será de 5% sobre o total. As operações envolvem R$ 400 milhões. Os agricultores que prorrogarem, no todo ou em parte, as parcelas de 2007 só poderão requisitar novos investimentos com recursos do crédito rural se pagarem a parcela de 2007 prorrogada ou liquidarem a de 2008 até o vencimento.

No Custeio, as parcelas vencidas e vincendas em 2007 das operações prorrogadas de safras anteriores e que venceriam parcialmente em 2007 estão prorrogadas para um ano após o vencimento da última parcela. Deverá ser iniciado de imediato um estudo estrutural da dívida rural com conclusão prevista até o final do ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *