Governo e Abiove veem cenário ainda melhor para a soja

Ainda que as fortes chuvas registradas em importantes polos de soja de Mato Grosso no fim de semana tenham prejudicado a colheita e assustado os agricultores, novas estimativas divulgadas ontem sinalizaram um cenário ainda mais positivo para o valor da produção e para as exportações brasileiras do grão e seus derivados neste ano.

Sob influência direta do aumento das estimativas da Conab e do IBGE para a colheita recorde no país nesta safra 2016/17 – que chegará a 105,6 milhões de toneladas, segundo a Conab -, o Ministério da Agricultura divulgou ontem que o valor bruto da produção (VBP) da oleaginosa deverá atingir R$ 123,1 bilhões este ano, R$ 3,5 bilhões mais que o previsto em janeiro. Se confirmado, o montante será 5,7% superior ao calculado pelo departamento de gestão estratégica da Pasta para 2016.

O ajuste colaborou para o ministério elevar para R$ 364,5 bilhões sua estimativa para VBP das 21 principais lavouras do país, 1,4% mais que o valor projetado em janeiro e resultado 5,6% mais elevado que o do ano passado. E foi decisivo, portanto, para que o VBP da agropecuária como um todo, incluindo as cinco principais cadeias de proteínas animais – cuja previsão para o VBP foi ajustado para R$ 181,4 bilhões no total, 2,2% menos que em 2016 -, tenha sido corrigido para R$ 545,9 bilhões em 2017, 2,9% mais que no ano passado.

Paralelamente, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) elevou para 104,6 milhões de toneladas sua própria projeção para a colheita de soja no Brasil nesta safra 2016/17. A partir desse incremento, a entidade também elevou sua previsão para as exportações nacionais da matéria-prima neste ano. Passou a sinalizar 58,7 milhões de toneladas, 700 mil a mais que o previsto em dezembro e 13,8% mais que no ano passado.

Como o cálculo para o processamento no país não mudou, a produção de farelo de soja neste ano segue estimada em 31,1 milhões de toneladas em 2017, e a de óleo de soja continua prevista em 6,8 milhões. As exportações de farelo em 2017 continuam projetadas em 15,5 milhões de toneladas, 1,3 milhão a mais que no ano passado, e as de óleo seguem em 1,4 milhão, aumento de 100 mil toneladas.

Com isso, a Abiove passou a prever que a receita das exportações brasileiras do "complexo soja" (inclui grão, farelo e óleo), carro-chefe do agronegócio no país, alcançará US$ 29,2 bilhões este ano, 5,8% mais que o estimado em dezembro e 14% acima do faturamento de 2016. Para o grão, a entidade espera US$ 22,9 bilhões, alta de 18,4% sobre 2016.

Por Cristiano Zaia, Fernando Lopes e Kauanna Navarro | De Brasília e São Paulo

Fonte : Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.