Governo debate com setor de insumos formas de prevenir e eliminar pragas sem prejudicar o ambiente

Combate à helicoverpa foi o principal tema discutido no encontro realizado nesta segunda

Andrea Parise | Brasília (DF)

Diego Bonilha/Coamo

Foto: Diego Bonilha/Coamo

Liberação de defensivos para combater a helicoverpa foi defendida

O combate à Helicoverpa armígera foi o principal tema discutido na Câmara Temática de Insumos Agropecuários. O encontro ocorreu nesta segunda, dia 21, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em Brasília, no Distrito Federal.
Membros do governo federal, representantes de entidades ligadas à produção e comercialização de insumos agropecuários e do setor produtivo debateram formas de prevenir e eliminar as pragas sem prejudicar o meio ambiente. A liberação de defensivos para combater a helicoverpa foi defendida.
– Estamos apoiando desde o início a liberação de defensivos, de um produto que combata a praga e diminua o prejuízo do setor produtivo. Essa tem sido nossa posição. Mas também temos que ter a sensibilidade do aspecto ambiental e da complexidade que envolve o Manejo Integrado – destacou o presidente na Câmara Temática de Insumos Agropecuários, Luiz Antonio Pinazza.
Outro tema que preocupa os integrantes da Câmara são os aditivos para alimentação animal. O Brasil importa mais de US$ 1 bilhão por ano em vitaminas, aminoácidos, enzimas e hormônios, sobrecarregando a balança comercial do setor. A solução seria a criação de um parque produtivo nacional. O estudo técnico e econômico da viabilidade do projeto já foi desenvolvido pelo Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, responsável  também por definir parcerias e angariar recursos.
– Esse é um projeto de médio a longo prazo e que temos que trabalhar. Ele é importantíssimo do ponto de vista estratégico. Esses produtos podem ser produzidos internamente – acrescentou Pinazza.
>>Inseticida biológico para combater Helicoverpa é apresentado em reunião no Ministério da Agricultura

CANAL RURAL

Fonte: Ruralbr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *