Governo autoriza compra mensal de 50 mil ton de milho para o NE

Limite de aquisição levará em conta o plantel de animais do produtor

por Estadão Conteúdo

Editora Globo

O governo autorizou que o preço do leilão será para o milho ensacado e entregue no local de atendimento do programa definido pela Conab

O governo federal autorizou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a comprar 300 mil toneladas de milho, por meio de leilões mensais de até 50 mil toneladas do cereal, para atender pequenos criadores de aves, suínos, bovinos, caprinos e ovinos dos municípios da área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Na semana passada, o governo autorizou a prorrogação da venda em balcão para o Nordeste até 31 de maio. O prazo deve ser prorrogado novamente pois, com a oferta mensal estipulada, os leilões serão realizados até agosto.
Por meio de portaria interministerial da Fazenda, Agricultura e Casa Civil, o governo autorizou a realização dos leilões de compra porque os estoques de milho da Conab estão praticamente zerados. A disparada dos preços do cereal no segundo semestre do ano passado, provocada pela quebra da safra norte-americana, tornou inviável a recomposição dos estoques públicos. O volume disponível foi utilizado para atender criadores das regiões Sul e Nordeste, onde a estiagem também frustrou a produção de milho.
Para evitar que se repitam os problemas enfrentados no ano passado no escoamento do cereal das zonas de produção do Centro-Oeste para o Nordeste, o governo autorizou que o preço do leilão será para o milho ensacado e entregue no local de atendimento do programa definido pela Conab. A venda em balcão tem três faixas de preços, de acordo com o volume adquirido: até 3 mil toneladas o preço é de R$ 18,12/saca; de 3,1 mil a 7 mil t o preço é de R$ 21/saca; e de 7,1 mil a 14 mil t o preço é de R$ 24,60. O limite de aquisição levará em conta o plantel de animais de cada produtor.
O presidente da Associação Cearense de Avicultura (Aceav), João Jorge Reis, diz que o programa de venda em balcão do governo não prejudica a atividade empresarial, pois somente as granjas do Ceará consomem 40 mil toneladas por semana. Ele observa que a venda em balcão "é um programa para atender as vítimas da seca, que não terá nenhum impacto no preço da carne de frango e reflexo na inflação, que é uma das preocupações do governo federal". Na semana passada o governo criou o Conselho Interministerial de Estoques de Alimentos (Ciep), para monitorar e administrar a produção de grãos.
Reis afirma que os criadores cearenses estão pagando entre R$ 42 a R$ 43/saca pelo milho comprado em Mato Grosso,Goiás, sul do Piauí e Maranhão. A esperança do presidente da Aceav é que os Estados Unidos colham uma safra recorde de milho no segundo semestre, o que vai contribuir para baixar os preços do cereal no mercado brasileiro para a média histórica, para que o governo possa repor seus estoques e retomar os programas de subsídio ao frete para o Nordeste. Ele salienta que, em virtude da pressão nos custos, a avicultura cearense encolheu 10% a partir do segundo semestre do ano passado e está produzindo 5 mil toneladas de carne de frango por semana e 3,5 milhões de ovos por dia.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *