Governo antecipa algumas medidas do Plano Safra da Agricultura Familiar

Terras confiscadas por dívidas públicas serão destinadas à reforma agrária.
Anúncio foi feito durante uma reunião com representantes da Contag.

Do Globo Rural

Em Brasília, o governo antecipou parte das medidas que vão valer para o novo Plano de Safra da Agricultura Familiar. O anúncio foi feito durante uma reunião com representantes da Contag.

Os agricultores que foram acompanhar a reunião estavam ansiosos. Nestor Bonfanti diz que espera o fim da burocracia para a liberação de financiamentos.

Rilda Maria Alves, de Arapiraca, Alagoas, tem pedidos: “Que a gente possa sair com um bom resultado na questão do Programa Nacional de Habitação Rural”.

Na reunião no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o Plano Safra da Agricultura Familiar terá R$ 24,1 bilhões para custeio e investimentos, quase 14% a mais do que o plano atual. O governo também se comprometeu a destinar todas as terras confiscadas pela União, por causa de dívidas públicas, à reforma agrária.

Segundo o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, a antecipação do anúncio é uma resposta ao movimento Grito da Terra.

A Contag, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, responsável pelo Grito da Terra, esperava a liberação de um crédito de R$ 30 bilhões, mas saiu satisfeita.

“Nós tivemos avanços bastante significativos, embora não tivessemos conseguido 100% do que pedimos”, disse Alberto Broch, presidente da Contag.

A portaria que vai permitir que terras confiscadas sejam usadas para reforma agrária deve ser publicada, nos próximos dias, no Diário Oficial da União.

Fonte: G1