Farm Show projeta manter volume de vendas

Estância Guatambu participará do primeiro leilão de animais da feira

Já em sua 85ª edição, a Farm Show, exposição agropecuária de Dom Pedrito, espera pelo menos repetir as vendas de animais realizadas em 2017. Uma das maiores feiras do campo gaúcho, com oferta de cerca de 800 bovinos e equinos, a projeção é de passar os R$ 9 milhões em negócios. Para vencer o ano de crise na pecuária, as cabanhas organizadoras dos remates, que acontecem de 18 a 28 de outubro no município da fronteira, prometem atrativos aos produtores como leilões adicionais de preço fixo, maior prazo de pagamento e subsídio nos fretes.

Primeiro evento da Farm Show, o remate da Guatambu, Alvorada e Caty, em 18 de outubro, por exemplo, trará como novidade um leilão adicional de touros, com 60 animais a preços fixos de acordo com o índice de seleção Delta G. "É uma promoção, com preços moderados e menor comissão, dentro do contexto da situação econômica atual", classifica Valter José Pötter, proprietário da Estância Guatambu, afirmando que o modelo é atrativo para todas as partes.

Ao adquirir um lote no leilão tradicional, o comprador terá direito a levar, também, um lote adicional com valor fixo, com preferência na escolha dos lotes para quem primeiro arrematar um exemplar no leilão principal. Para a Guatambu, o objetivo é diluir os custos de organização do evento e aumentar a receita para além dos 130 machos e 230 fêmeas das raças Hereford e Braford que passarão em pista no remate tradicional, número limite para um leilão de uma tarde, segundo Pötter. Aos compradores, sem disputa pelo maior preço o atrativo está no custo.

Outra novidade da Farm Show é a introdução do índice biodinâmico de carcaça (IBC), indexador lançado durante a Expointer deste ano que avalia o impacto financeiro dos reprodutores em seus descendentes. "O comprador já saberá quanto acima da média vão valer os filhos dos animais leiloados", conta Fernando Cardoso, da Fazenda da Barragem, que promove seu remate junto com a Don Angelico em 22 de outubro. Completando dez anos de remates, as cabanhas também enfrentam a situação econômica com condições especiais, com um ano de prazo para pagamento sem juros e sem entrada, além de descontos à vista.

A aposta no IBC é a mesma da Agropecuária Quiri, que leiloará 45 reprodutores da raça Angus em 25 de outubro, e traz também uma espécie de cartão fidelidade, premiando compradores dos outros 28 anos de remates da cabanha. "Valorizamos muito essa relação, de saber quem são nossos clientes", comenta a proprietária, Vivian Diesel.

O momento é bom para a compra de reprodutores, segundo o proprietário da Agropecuária Rincão da Figueira, Humberto Jardim, pois os preços estão em queda nos últimos dois anos. "Não está onde deveria estar, com touros que deveriam estar em torno de R$ 15 mil saindo por no máximo R$ 12 mil", comenta Jardim, que organiza o remate Top Braford e Hereford em 20 de outubro. "É o melhor período para a compra, porque no ano que vem a expectativa é de que isso se modifique, até porque muita gente reduziu a produção e pode faltar oferta", continua Jardim, que venderá 85 animais, mais da metade dupla marca, que são animais superiores de sua geração.

Ao todo, com mais dois remates de bovinos (Santa Thereza e Wolf Genética, ambos em 26/10) e dois de cavalos crioulos, nos dias 26 e 27, a Farm Show colocará em pista 450 touros, 250 ventres e 100 equinos. "Esperamos o mesmo sucesso do ano passado, com mais de R$ 9 milhões em vendas, volume que é o maior do interior gaúcho", argumenta o presidente do Sindicato Rural de Dom Pedrito, Luiz Augusto Gonçalves de Gonçalves.

Fonte: Jornal do Comércio