Exportação de milho dispara e alerta setor

Seca nos Estados Unidos e preços em alta motivam embarque do cereal

Confirmando o temor dos setores avícola e suinícola, as exportações brasileiras de milho cresceram 431,4% em julho, com a receita atingindo 419 milhões de dólares, frente ao mesmo período do ano passado, conforme dados divulgados, ontem, pelo Ministério da Agricultura (Mapa). A seca nos Estados Unidos, que deve reduzir a safra do principal produtor global do grão em 101,9 milhões de toneladas em relação à projeção inicial para o ano, e a consequente escalada no preço das commodities, contribuíram com o cenário favorável aos embarques. "É assustador, mas os números falam por nós. O governo precisa fazer algo para garantir o abastecimento a custos compatíveis", cobrou o presidente da Asgav, Nestor Freiberger. No anúncio, o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, ponderou: "O Mapa está atento para garantir o abastecimento deste importante insumo para a produção de aves e suínos no Brasil".
O relatório ainda indicou a alta de 52,2% na venda externa de farelo de soja, outro componente básico da ração, em julho. No período, o embarque de soja em grão subiu 10,5% em volume e 10,6% no preço médio, o que representou uma expansão de 22,2% no total exportado.
Ontem, representantes de Abipecs, Abiove e Ubabef solicitaram ao secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, medidas para amenizar a elevação do custo da oleaginosa. Segundo o presidente da Abipecs, Pedro de Camargo Neto, que participou da reunião, agilidade na restituição de PIS/Cofins às esmagadoras poderia resultar em farelo de soja mais barato no mercado. Hoje, as indústrias chegam a aguardar três anos pela devolução. Também foram encaminhados pedidos para regulamentação da desoneração da folha de pagamento. Boa notícias para os produtores é que, em julho, as importações de trigo caíram 30,5%, totalizando 132 milhões de dólares, e a de lácteos, 14,8% (37 milhões de dólares).
A BALANÇA DE JULHO
Exportações do agronegócio em julho: 8,98 bilhões de dólares, com alta de 6% em relação ao mesmo período de 2011;
Setores que puxaram a expansão: complexo soja, cereais, sucos e animais vivos;
Importações tiveram queda de 14% no mês, totalizando 1,22 bilhão de dólares.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *