Exportações sucroalcooleiras recuaram 44,6% em outubro

Sob forte pressão do tombo dos embarques do segmento sucroalcooleiro, as exportações brasileiras do agronegócio renderam US$ 8,421 bilhões em outubro, 12,6% menos que no mesmo mês de 2012, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic) compilados pelo Ministério da Agricultura. As importações somaram US$ 1,619 bilhão, um aumento de 2,5% em igual comparação, e com isso o saldo comercial do setor caiu 15,6% na comparação, para US$ 6,802 bilhões.

No segmento sucroalcooleiro, as vendas ao exterior atingiram US$ 1,298 bilhão, em queda de 44,6% sobre outubro do ano passado, influenciada pela baixa dos preços médios de açúcar e etanol e pelo incêndio que destruiu o terminal de açúcar da Copersucar no porto de Santos (SP) e afetou o fluxo dos embarques da empresa e de terceiros.

Mesmo com um recuo de 0,2% em relação a outubro de 2012, a liderança das exportações do agronegócio no mês passado ficou com as carnes (bovina, de frango e suína), com US$ 1,565 bilhão. O chamado "complexo soja" (inclui grão, farelo e óleo), que encabeça a lista na maior parte do ano, veio em seguida, com US$ 1,563 bilhão, aumento de 6,9%. Apesar da forte queda, o segmento sucroalcooleiro ficou na terceira posição.

Mesmo com a queda de outubro, para US$ 8,421 bilhões, as exportações do agronegócio somaram US$ 86,423 bilhões nos primeiros dez meses deste ano e aumentaram 6,9% em relação a igual intervalo de 2012. Com o forte ritmo observado sobretudo no primeiro semestre, embalado pela demanda da China, as vendas do "complexo soja" ao exterior lideraram as exportações do setor no período, com US$ 29,191 bilhões e um incremento de 18,4%.

As importações do setor, por sua vez, cresceram 5% nos dez primeiros meses do ano e somaram US$ 14,290 bilhões – e, com isso, o superávit do agronegócio subiu 7,2% na comparação, para US$ 72,133 bilhões. No período de 12 meses encerrado em outubro, as exportações do agronegócio renderam US$ 101,356 bilhões e as importações chegaram a US$ 17,092 bilhões.

Fonte : Valor Econômico | Fernando Lopes | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *