Exportações de tabaco caíram 6,3% em 2020

Apesar do recuo, embarque de 514 mil toneladas supera a média dos últimos cinco anos

Principal mercado do produto brasileiro é a União Europeia

Principal mercado do produto brasileiro é a União Europeia | Foto:

As exportações de tabaco do Brasil fecharam 2020 com o embarque de 514 mil toneladas, segundo dados do Ministério da Economia. O volume representa 6,31% a menos que em 2019, quando houve a venda de 551 mil toneladas ao mercado externo. Em valor, a comercialização no ano passado representou 1,638 bilhão de dólares, com queda de 23,4% em relação ao ano anterior, quando o total atingiu 2,14 bilhões de dólares.

O presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), Iro Schünke, diz que os números acompanham a expectativa apontada pela pesquisa da Deloitte Consultores, de recuo de 2% a 6% no volume e de 15% a 20% na receita em dólares, na comparação com 2019. “A redução era esperada, uma vez que em 2019 tivemos um incremento de 7,6% em dólares e de 19% no volume de tabaco exportado em relação ao ano anterior (2018), devido, principalmente, a embarques postergados por razões logísticas”, explica. “Se considerarmos os últimos cinco anos, o volume embarcado em 2020 ficou um pouco acima da média, de 494 mil toneladas”, ressalta. “Já em relação à receita, a qualidade do produto e a valorização do dólar refletiram-se na redução do valor exportado.”
Apesar de aumento de alguns custos, o presidente do Sinditabaco afirmou que a pandemia do novo coronavírus não causou prejuízos significativos para o setor. Por isso, considera acertada a decisão das indústrias de manterem as operações nas usinas, seguindo todas as recomendações das autoridades sanitárias, mesmo no período que a maioria das fábricas estava com as atividades paralisadas.
O principal mercado do tabaco brasileiro continua sendo a União Europeia, destino de 41% das exportações, seguida pelo Extremo Oriente (24%), África/Oriente Médio (11%), América do Norte (9%), América Latina (9%) e Leste Europeu (6%). Entre os países, a Bélgica (com 414 milhões de dólares) continua sendo o principal importador do produto, seguido da China (153 milhões) e Estados Unidos (125 milhões), Indonésia (98 milhões), Emirados Árabes Unidos (74 milhões), Turquia (55 milhões) e Rússia (54 milhões).
O tabaco representou 0,8% do total de exportações brasileiras e 4,1% dos embarques da Região Sul em 2020. No Rio Grande do Sul, Estado que concentra mais da metade da produção brasileira, o produto foi responsável por 9,5% do total das exportações. Nas exportações do agronegócio brasileiro, o tabaco ocupa a oitava posição.

Otto Tesche

Fonte : Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *