Exportações agrícolas somam US$ 9,1 bilhões

Complexo soja respondeu por 49,1% do total negociado, seguido pelas carnes, com 14,6% do valor

Complexo soja respondeu por 49,1% do total negociado, seguido pelas carnes, com 14,6% do valor

As exportações do agronegócio brasileiro somaram US$ 9,13 bilhões, e as importações, US$ 1,06 bilhão em junho deste ano. O volume representa um saldo positivo de US$ 8,07 bilhões na balança comercial do País. Segundo o Ministério da Agricultura, a participação do agronegócio no total dos embarques do Brasil alcançou 46,5% no mês passado.
Os principais setores exportadores do agronegócio em junho foram o complexo soja, com 49,1% de participação; as carnes, com 14,6%; os produtos florestais, com 9,8%; o complexo sucroalcooleiro, com 7,5%; e o café, com 4,9%. Em conjunto, os cinco setores alcançaram US$ 7,85 bilhões e tiveram 86% de participação nos embarques no mês passado.
As vendas externas do complexo soja alcançaram US$ 4,48 bilhões, queda de 3% em relação a igual período do ano passado (US$ 4,62 bilhões). Mesmo com a redução em valor, a quantidade embarcada de soja em grão bateu recorde histórico, chegando a quase 10 milhões de toneladas. Em seguida, aparece o farelo de soja, com US$ 620 milhões, e o óleo de soja, com US$ 102 milhões.
As exportações de carnes somaram, em junho, US$ 1,33 bilhão, queda de 6,2% em relação a junho de 2014. Já a quantidade de carne embarcada teve aumento de 17,3%, alcançando 573 mil toneladas no período. O principal produto negociado no setor foi a carne de frango, com 389 mil toneladas comercializadas. Isso representou um aumento de 31,4% em volume e de 9,8% em valor (equivalente a US$ 677 milhões). A carne bovina ficou na segunda posição, com US$ 484 milhões, seguida da carne suína, com US$ 118 milhões, e da carne de peru, com US$ 30 milhões.
Entre julho de 2014 e junho de 2015, as vendas externas do setor atingiram US$ 90,9 bilhões, valor 8,7% menor que os US$ 99,51 bilhões registrados nos 12 meses anteriores. As importações do período, por sua vez, também recuaram à taxa de 10,2%, com US$ 15,34 bilhões, o que representou uma queda de US$ 1,74 bilhão. O saldo da balança comercial no intervalo de 12 meses ficou em US$ 75,56 bilhões.

Rio Grande do Sul pode ganhar novo edital de pesquisa agropecuária

O Rio Grande do Sul pode, em breve, contar com um novo edital de custeio de pesquisa no setor agropecuário, resultado de um termo de cooperação técnico-financeira que está sendo elaborado entre a Embrapa e a Fapergs.
Intermediado pela Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), o acordo prevê a utilização de R$ 4 milhões em recursos para um edital voltado a instituições que promovam a pesquisa agropecuária no Estado.
A verba será destinada a projetos que tenham um impacto real na solução de problemas atuais do setor agropecuário gaúcho. Para identificar essas demandas, o diretor-presidente da Fepagro, Adoralvo Schio, considera importante manter um canal de diálogo permanente com o setor produtivo. "É preciso compreender as reais necessidades dos nossos produtores para saber como poderemos atendê-los por meio da pesquisa", avalia.
Uma das exigências para ser contemplado pelo edital será a presença de pelo menos um pesquisador da Embrapa e outro da Fepagro no projeto. "Essas duas instituições têm uma capilaridade e um conhecimento profundo da realidade nas diferentes regiões do Estado", justifica o diretor técnico da Fepagro, Carlos Oliveira.
Com esse formato, o edital deve reunir os órgãos estaduais de pesquisa agropecuária – Fepagro e Irga -, a Embrapa e as instituições de ensino e pesquisa do Rio Grande do Sul. "A ideia é que os projetos estimulem a formação de redes entre essas entidades", destaca o presidente da Fapergs, Abílio Baeta. Para Jefferson Costa, assessor da Diretoria Executiva da Embrapa, esta será uma iniciativa pioneira. "É um formato de edital inovador para o Estado e para o Brasil."
O termo de cooperação está em fase de elaboração, assim como o primeiro edital, cuja publicação está prevista para o segundo semestre deste ano.

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *