Expointer pretende movimentar R$ 1 bilhão em negócios

Fonte: Globo Rural

Feira que começa neste sábado (27/8) reunirá cerca de seis mil animais

por Globo Rural On-line

Divulgação/Expointer
Secretário da Agricultura recepciona primeiro animal a chegar na 34ª Expointer, um cavalo crioulo do Paraná

Cerca de seis mil animais, representando 151 raças, estarão reunidos neste sábado (27/8), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, Porto Alegre, para a 34ª da Expointer. Segundo os organizadores, a expectativa deste ano é de comercialização de mais de R$ 1 bilhão de reais. Entre os animais em exposição estão bovinos de corte, bovinos de leite, gado misto, bubalinos, equinos,ovinos, suínos, caprinos, pássaros, aves, chinchilas ecoelhos.
As áreas que concentram investimentos são variadas, voltadas principalmente para a aquisição de maquinário agrícola, financiamento de lavouras e compra de animais. Os bancos públicos BRDE, Badesul, Banco do Brasil eBanrisul, além do sistema de crédito cooperativo Sicredi, estarão na feira operando linhas de crédito aos produtores rurais.
Para o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do estado, Luiz Fernando Mainardi, “o volume de recursos disponibilizados pelas instituições de crédito cria um ambiente favorável para a realização da feira”. Segundo ele, trata-se de um elemento indispensável para que os produtores continuem investindo em novas tecnologias e no aporte de genética de qualidade para aprimoramento dos rebanhos. "Tudo isso leva ao aumento da produtividade e consequentemente da produção, gerando renda para os produtores e elevando a receita pública. São situações que sinalizam para o fortalecimento das cadeias produtivas e, fundamentalmente, para o crescimento da economia gaúcha", comentou Mainardi.
O presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas de Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (Simers), Cláudio Bier, acredita que os valores mostram como as instituições financeiras são importantes para o sucesso das vendas na Expointer. “Dos R$ 837 milhões em máquinas vendidas no ano passado, 85% foram via financiamento e apenas 15% com recursos próprios dos agricultores”. Já o assessor da Federação dos Trabalhadores na Agriculturano Rio Grande do Sul (Fetag), Airton Hochscheid, ressaltou a importância de linhas de crédito voltadas à agricultura familiar. “Ela tem, por meio do Programa Mais Alimentos, recursos à disposição para investimentos em novas tecnologias, máquinas, implementos, além de melhoria da genética”, destacou. A feira segue até o dia 4 de setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *