EXPOINTER – Drive-thru recebeu 1 mil veículos em quatro dias

Corredores lotados e burburinho das conversas entre compradores e expositores deram lugar ao som dos motores, mas ainda assim o pavilhão da agricultura familiar mantém o protagonismo na Expointer Digital. Em formato de drive-thru pela primeira vez na história do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, a feira é encarada pelos agricultores como vitrine para a produção e alternativa para atenuar os efeitos da pandemia de coronavírus no faturamento das agroindústrias em 2020.

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag), que organiza o espaço, calcula que cerca de mil veículos passaram no local nos quatro primeiros dias de funcionamento. O dia de maior movimento foi domingo, com 400 carros circulando pelos estandes. A entidade não tem divulgado o volume de vendas realizadas, como fazia em anos anteriores, em razão da menor base de comparação. No momento, 55 agroindústrias estão expondo, enquanto no ano passado eram mais de 300. O assessor de Política Agrícola e Agroindústrias da Fetag, Jocimar Rabaioli, considera que ainda é cedo para avaliar, mas reconhece que a quantidade de visitantes ainda está pequena:

– Foi a alternativa que encontramos (o drive-thru) para dar uma oportunidade de a economia da agricultura familiar reacender, já que vínhamos desde março sem uma feira (Expodireto). O sistema é interessante, mas não virá para substituir as feiras presenciais.

Rabaioli não vê perspectiva de o formato ser repetido em outros eventos no Estado, mesmo enquanto a pandemia perdurar. Isso porque, dependendo do tamanho da feira e do fluxo de pessoas esperado, não compensaria para o pequeno produtor que precisa deixar a sua atividade no campo e se dedicar aos estandes durante uma semana.

Estreantes

Quatro dos expositores estão estreando na feira. Entre eles, está a agroindústria Slaifer, de Encantado, no Vale do Taquari. Com o negócio formalizado no início do ano, os produtores Maciel e Paulina Slaifer não hesitaram em se inscrever para garantir um lugar no pavilhão em Esteio, mesmo em meio à pandemia. O negócio conta com cerca de 50 produtos no portfólio, focado em geleias e conservas.

– Hoje vendemos somente na nossa região. Então viemos (à Expointer) com a esperança de, principalmente, divulgar nossos produtos e ter algum retorno financeiro com a feira – destaca Maciel Slaifer.

A abertura de novos mercados também é uma das metas da agroindústria Di Cappra, de Santa Maria. A produção de derivados do leite de cabra era, até então, vendida somente no município da Região Central. No pavilhão, costumam passar entre 60 e 80 pessoas por dia, o que gerou contatos com interessados em comercializar os produtos em municípios da Serra e da Região Metropolitana.

Com o novo formato de vendas, até mesmo expositores veteranos sentem como se estivessem pela primeira vez em Esteio. Vinicius Gasparetto, da agroindústria Gasparetto, expõe seus sucos de uva há mais de 10 anos na Expointer. O agricultor de Flores da Cunha, na Serra, aponta que clientes e os próprios expositores estão se acostumando aos poucos com o drive-thru.

Ainda assim, como Gasparetto já esperava, as vendas estão menores em relação às edições passadas. No final de semana, pico da movimentação, ele comercializou cerca de 200 garrafas de suco. Na feira de 2019, nos sábados e domingos, ele costumava vender em torno de 600 unidades.

fernando.soares@zerohora.com.br

FERNANDO SOARES

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!