EXPOINTER – A feira agropecuária já começou em Esteio

Pelo menos 2,8 mil trabalhadores participam da montagem da cidade campeira que deverá receber cerca de 500 mil visitantes em duas semanas

Para o público geral, a Expointer terá os portões abertos no próximo sábado, a partir das 8h. Mas para milhares de pessoas, a mais tradicional feira agropecuária do Brasil já teve início há cerca de um mês. A cidade campeira montada em Esteio para receber em torno de 500 mil visitantes começou a ganhar forma com o esforço de pelo menos 2,8 mil trabalhadores.

– Agora, nos últimos dias, são os ajustes finais, mas já tem muita coisa funcionando, como restaurantes para atender os criadores e trabalhadores, por exemplo – explica José Arthur Martins, subsecretário do Parque de Exposições Assis Brasil.

Bovinos, ovinos, equinos e outras espécies que começaram a ingressar no parque na última segunda-feira já dão vida à feira – que terá 3.975 exemplares de argola (animais que vão a julgamento). O agropecuarista Paulo Roberto Moura chegou a Esteio na terça-feira. Vindo de Santo Antônio das Missões, no Noroeste, o produtor participará pela primeira vez do evento com estreantes na Expointer: bovinos senepol. Os três animais que trouxe são os primeiros da raça de corte nascidos no Rio Grande do Sul. Até então, criava somente gado geral.

– Apostei no senepol pela possibilidade de cruzamentos para aumentar o marmoreio da carne, a quantidade de gordura entremeada, e também por ter um pelo baixo, o que dificulta a atração de carrapatos – explica Moura, proprietário da Agropecuária Triunfo.

Estruturas

Para ajudá-lo a cuidar dos três animais durante quase duas semanas, o criador trouxe cinco trabalhadores – todos acampados no alojamento do parque. A logística, incluindo frete e mão de obra com os bovinos, custará R$ 10 mil ao agropecuarista.

No setor de máquinas e equipamentos agrícolas, a montagem dos estandes começou em meados de julho. No espaço da fabricante Massey Ferguson, onde serão expostas 33 máquinas, o trabalho teve início no dia 15 do mês passado. São 60 pessoas envolvidas, entre temporários e funcionários próprios da multinacional. Os equipamentos foram deslocados para Esteio das fábricas de Canoas, Santa Rosa, Ibirubá e Mogi das Cruzes (SP). Ontem, os trabalhadores terminavam de colocar os cavaletes que deixarão os produtos suspensos – para possibilitar o funcionamento de tratores, por exemplo.

– Dizemos aos visitantes que podemos dar uma volta sem sair do lugar – brinca Eder Pinheiro, diretor de marketing produto da marca.

Enquanto as estruturas são finalizadas, restaurantes e lojas começam a funcionar no parque. Proprietário da Casa do Laçador, loja de pilcha de Viamão, Fabiano Kunzler Santos vendeu ontem as primeiras bombachas, alpargatas e boinas. Os negócios na Expointer, em menos de duas semanas, representam cerca de 10% das vendas de todo o ano.

– É o nosso período de safra. E trago para cá os mesmos preços da minha loja física – diz Santos.

joana.colussi@zerohora.com.br

JOANA COLUSSI

Fonte : Zero Hora