EXPANSÃO DAS LAVOURAS

Área plantada de soja deve crescer 3% em 2018, estima Céleres

Consultoria elenca fatores que limitam esse aumento. A dificuldade operacional e custos de logística de insumos são dois deles

campo de soja

Foto: Pixabay

A área plantada com soja na safra 2018/2019 deve chegar a 36,17 milhões de hectares, crescimento de 3,1%, aponta a consultoria Céleres. A projeção divulgada nesta terça, dia 14, atribui o aumento a um cenário de considerável rentabilidade no ciclo anterior e a uma perspectiva favorável para as margens nesta temporada.

“Só não é maior devido à competitividade de milho no próximo verão, ao risco de valorização do real para 2019, às dificuldades operacionais e aos custos na logística de insumos, sobretudo fertilizantes, que estão sendo percebidos agora”, disse a Céleres, em relatório que acompanha o levantamento.

A consultoria destacou que, por enquanto, é esperado um cenário de neutralidade entre La Nina e El Nino, com “condições climáticas dentro da normal na época de plantio da oleaginosa”. Com isso, projeta que a produção brasileira de soja pode chegar a 119,63 milhões de toneladas, 0,7% acima da safra atual. Considerando a tendência de produtividade dos últimos 15 anos, o rendimento esperado é de 3,31 toneladas por hectare, ante 3,39 toneladas por hectare projetados anteriormente.

“O apetite chinês ainda mais forte mantém o cenário de abastecimento interno enxuto e, junto com o dólar valorizado e com prêmios excepcionais, deverá sustentar os preços no mercado interno em 2019, mesmo com a expectativa de mais uma safra cheia no país”, disse a consultoria.

A rentabilidade operacional esperada para safra 2018/2019 está estimada em R$ 1.191,00 por hectare, em média. “Apesar de serem menores do que a rentabilidade efetiva na safra 2017/18, as margens projetadas se mostram elevadas e deverão incentivar o aumento de área por parte do produtor”, disse a consultoria. “Os preços, apesar de estarem menores que os observados nesta safra, estão em patamares historicamente altos e remuneradores.”

A Céleres ponderou, contudo, que a desvalorização do real deve elevar os custos de produção em 10%, em média, para a próxima safra. “No caso dos fertilizantes, além da questão cambial, os preços internacionais e os custos logísticos mais elevados após a greve dos caminhoneiros sustentam mais ainda os preços deste insumo no mercado interno.”

A consultoria indicou ainda que, mesmo com aumento de custos e as dificuldades logísticas, a rentabilidade projetada e os “resultados agronômicos excelentes” nos dois últimos ciclos indicam que produtor deverá continuar investindo em manejo e insumos mais eficientes na próxima safra.

Entre os principais fatores de risco para a safra 2018/2019, a Céleres cita o câmbio, a pressão de uma grande safra norte-americana sobre os preços em Chicago e a logística. “As indefinições e o próprio tabelamento de fretes já prejudicam a entrada de fertilizantes nas praças internas e deverão dificultar e onerar o produtor nas épocas de escoamento da produção.”

Por Estadão Conteúdo

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *