Estudo descarta falta d’água na Índia com degelo do Himalaia

Apesar do recuo previsível das geleiras do Himalaia ao longo das próximas décadas, o abastecimento de água no subcontinente indiano não deve ser ameaçado, ao menos até o fim do século, indica um estudo publicado este domingo na revista Nature Geoscience.

'Aquecimento é história pra boi dormir', diz professor "Aquecimento é história pra boi dormir", diz professor

Os autores do estudo, pesquisadores da Universidade de Utrecht, simularam o que pode vir a acontecer nas duas principais bacias hidrográficas da região – uma alimentada pelo Indo, a outra pelo Ganges – em base em dois cenários diferentes de elevação das temperaturas.

Amazônia: fogo devasta mais que desmatamento, aponta estudo inédito Amazônia: fogo devasta mais que desmatamento, aponta estudo inédito

As geleiras das duas bacias vão recuar de forma dramática e até 2100, no pior dos cenários, perderão, em média, a metade de seu volume. Mas, ao longo do século XXI, não deverá faltar água, porque o degelo adicional deverá permitir enfrentar um aumento na demanda hídrica nesta região do mundo, que tem forte crescimento demográfico.

"Nesses dois casos, as geleiras vão recuar, mas o volume de água corrente gerada pelo derretimento de gelo tende à alta ao menos até 2050", destacaram os autores do estudo.

FOTO: mais de 400 toneladas de peixes morrem em tanques na China FOTO: mais de 400 toneladas de peixes morrem em tanques na China

"Combinada com uma mudança favorável nas precipitações, a disponibilidade de água não deverá diminuir no transcurso do século", avaliaram os pesquisadores. Para eles, "as bacias que dependem das monções e do degelo das geleiras continuarão capazes de atender à crescente demanda hídrica".

Proposta quer acabar com lixões no Brasil Proposta quer acabar com lixões no Brasil

Segundo os cientistas, este novo estudo se baseou em dados hidrológicos regionais mais refinados do que os utilizados em trabalhos precedentes sobre o impacto do derretimento das geleiras do Himalaia.

Eles observaram que 70% das precipitações que alimentam o Ganges e o Brahmaputra ocorrem durante a estação das monções, que corresponde à do derretimento das geleiras. Isto, afirmaram, significa que uma parte que aflui neste momento pode ser armazenada em reservatórios para ser liberada no final da estação.

AFP AFP – Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização.

Fonte: Terra