Estoque internacional de milho impedirá maior valorização no Brasil

 

Produtores brasileiros apostam em elevações de preço ainda maiores.
Aposta, entretanto, não tem considerado os elevados estoques de EUA.

O presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, afirmou nesta quinta-feira (17) que a retenção das vendas de milho, em um momento de amplos estoques internacionais, pode trazer problemas para os agricultores.

Com novas ferramentas, Siga apresentará mais informações e dados mais precisos aos produtores e técnicos (Foto: Divulgação/Aprosoja/MS)

Estoque internacional de milho impedirá maior valorização no Brasil. (Foto: Divulgação/Aprosoja/MS)

"Muitos produtores brasileiros estão apostando em elevações de preço ainda maiores, retendo as vendas. A aposta, entretanto, não tem considerado os elevados estoques que grandes produtores, como os EUA e países vizinhos ao Brasil, vem mantendo", disse Turra, em nota.

 

Para lidar com a escassez de milho no mercado doméstico, os setores de aves e suínos têm adquirido lotes do cereal da Argentina e do Paraguai. Segundo a ABPA, seis navios de milho argentino devem chegar ao País nos próximos dias, e outras 100 mil toneladas do cereal paraguaio foram adquiridas por agroindústrias. Há, ainda segundo a ABPA, outros lotes com entrega prevista no médio prazo.

"O mundo está abastecido de milho. Se a ‘safrinha’ (segunda safra) se consolidar com bom desempenho, o quadro mais provável é a sobreoferta de produto no mercado interno, com queda abrupta de preços do milho", afirmou Turra. Segundo ele, esse quadro não beneficiaria o setor de proteína animal, já que o excedente de oferta pode influenciar a produção na próxima safra.

Do Estadão Conteúdo

Fonte : Globo

Compartilhe!