Estado apostará em obras de prevenção contra a seca

Governo quer mudar foco dos investimentos emergenciais para se concentrar em ações planejadas

Estado apostará em obras de prevenção contra a seca Vania Carballo/especial

Uma das metas é retomar as obras da barragem de Taquarembó, paralisadas desde janeiro de 2011Foto: Vania Carballo / especial

Leandro Becker

leandro.becker@zerohora.com.br

Investir mais em prevenção é a meta do governo do Estado para combater as secas cíclicas que atingem o Rio Grande do Sul nos últimos anos.

Atualmente, as obras capazes evitar racionamento nas cidades e perdas no campo correspondem a apenas 17,6% dos R$ 151,18 milhões aplicados pelo poder público estadual e federal desde dezembro de 2011.

Os 82,4 % restantes foram destinados a obras emergenciais, que têm efeito momentâneo. Segundo especialistas, inverter essa lógica é a saída para tornar os investimentos mais eficientes.

Coordenadora da Sala de Situação da Estiagem, que reúne órgãos estaduais para promover ações que amenizem a falta de chuva, a secretária adjunta da Casa Civil, Mari Perusso, aprofundou a análise dos gastos feitos a partir de dezembro, já com a seca caracterizada. Observa que investimentos em infraestrutura de abastecimento são mais caros e, muitas vezes, esbarram na falta de orçamento, mas estão nos planos do governo para evitar a necessidade de ações que apenas aliviam temporariamente a falta de água no Estado.

— O nosso objetivo é inverter essa lógica no futuro por meio de obras e programas que garantam o melhor aproveitamento da água — ressalta.

Entre as ações adotadas neste ano com enfoque preventivo, Mari destaca a nomeação de 300 profissionais para a Emater, que garantiu a elaboração de cerca de 30 mil laudos de lavouras atingidas pela seca, além da revitalização de poços, redes e açudes. Para o futuro, o foco é a implantação do Plano Estadual de Irrigação, a retomada de obras em barragens como a de Taquarembó, em Dom Pedrito, e o investimento de R$ 4 milhões em estações climáticas que garantam prognósticos seguros para auxiliar os agricultores nos períodos de plantio.

Em vídeo, veja efeitos da seca no Estado:

— Agricultores e governantes ficam apostando que não vai dar seca, guardam o dinheiro para aplicar no que precisam, e o investimento em irrigação fica em segundo plano. Quando chega a seca, é tarde — avalia Luiz Carlos Busatto, secretário estadual de Obras Públicas.

Desde o início do governo, em 2011, foram aplicados no Estado cerca de R$ 275,5 milhões em obras para reduzir o impacto da seca no abastecimento rural e urbano. Estudo feito pela Agência Nacional de Águas (ANA) indica que o Rio Grande do Sul é o Estado que mais precisa de investimentos em abastecimento urbano na Região Sul. No país, é o oitavo mais carente. O diagnóstico aponta que o abastecimento urbano requer ampliação em 32% dos municípios gaúchos.

Políticas específicas para pequenos municípios

Para garantir a oferta de água até 2025, revela a pesquisa, o Estado precisa investir R$ 785,2 milhões em obras. Deste total, 93% para adequar os sistemas produtores de 167 municípios e o restante para adotar novos mananciais em 10 municípios.

— Investimos pouco e, como não há planejamento, a maioria das ações apaga incêndio, mas não resolve definitivamente o problema — destaca André Luiz Lopes da Silveira, diretor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Para o superintendente adjunto de planejamento de recursos hídricos da ANA, Sérgio Ayrimoraes, é imprescindível que a gestão dos recursos hídricos tenha políticas permanentes e não mude a cada governo. Ele observa que as obras preventivas são caras e demoram mais para ficar prontas, mas são garantias para evitar problemas:

— O Estado também precisa de uma política específica para os pequenos municípios, principalmente pela fragilidade técnica e financeira deles na realização de obras.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *