ESTÁ CHEGANDO A HORA – Confira quais são os estados com condições mais favoráveis ao plantio

Chuva dentro da média em algumas áreas produtoras não significa volumes regulares

plantinha

Pryscilla Paiva, editora de Tempo

“A chuva vai voltar!” A afirmação é do meteorologista da Somar Celso Oliveira, e vale para o interior do Brasil. Segundo ele, a segunda quinzena de setembro já vai mostrar claramente esse cenário com o avanço das instabilidades para o Sudeste e parte do Centro-Oeste. As condições para o plantio em Mato Grosso do Sul e Paraná estão bem mais favoráveis. 
“São áreas onde as janelas de tempo seco são menores do que 10 dias”, afirma Oliveira. Mesmo que a chuva não atinja a média, terá uma distribuição mais favorável do que em Mato Grosso e Goiás, por exemplo.
A simulação do IRI (instituto de meteorologia da Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos) indica que o trimestre setembro-outubro-novembro terá chuva acima da média no oeste e sul do Rio Grande do Sul; e abaixo da média em Mato Grosso do Sul, Paraná, regiões Sudeste e Nordeste e no norte da região Norte. Não há previsão de grandes desvios na precipitação em Santa Catarina, no oeste e sul da região Norte e em todo o Centro-Oeste.
Mas recomenda-se cautela: chuva dentro da média em três meses não indica chuva regular. Aliás, muito pelo contrário. A tendência é de que a chuva da primavera seja irregular em boa parte do Brasil. E com chuva irregular e um aquecimento do Pacífico, mesmo que de forma modesta, a tendência é de calor acima do normal na maior parte do país na próxima estação.
Setembro

Especificamente para setembro, as previsões estendidas estão variando muito. Trata-se de algo normal para a primavera, que é uma estação de transição, a mais imprevisível de todas, segundo os meteorologistas. Nada que seja desejável para o produtor que espera ansioso a regularidade das chuvas. Assim como em agosto, quando foram registrados períodos de rompimento de bloqueio atmosférico (períodos chuvosos), a simulação tornou-se otimista, estendendo a chuva setembro afora. 
Em outros períodos, sob momento mais seco, a simulação era mais pessimista com relação à chuva. Agora, a apenas 10 dias do início da próxima estação, é possível ver claramente que as instabilidades retornam até mesmo para o oeste e o norte de Mato Grosso. O problema é que esta chuva não permanece em outubro.
Trata-se de algo esperado para um início de primavera com aquecimento fraco no Pacífico. Em 2014, a chuva da primavera foi mais intensa que o normal sobre a Argentina. E as simulações indicam maior desvio positivo de precipitação para a foz do rio da Prata, entre a Argentina e Uruguai. Vale lembrar que chuva abaixo da média não implica ausência completa de precipitação. Há expectativa de chuva mais intensa no Paraná, Sudeste e Centro-Oeste nos últimos 10 dias de setembro. O problema é que esta precipitação não será suficiente para alcançar a média histórica mensal na maior parte dos municípios. 
“Também alertamos para um cenário mais otimista em alguns estados, como Mato Grosso. A primavera será caracterizada por um início de chuva dentro do período considerado normal, mas não será regular ao longo da estação”, alerta Celso Oliveira.

Temperatura
Por fim, para a temperatura, há previsão de valores acima da média no Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, leste do Nordeste, Tocantins, Pará e Amapá. As temperaturas vão ficar  próximas ou até um pouco abaixo da média no leste e no norte de Minas Gerais e no sul da Bahia. 
Apesar do calor acima da média na maior parte do país, ele não será persistente. As simulações indicam que o atual período de oscilações com alguns dias muito frios e outros dias de calor prosseguirá na maior parte do Brasil até o fim de setembro. “Existe até mesmo uma queda de temperatura prevista para meados do dia 10 de outubro”, diz o meteorologista da Somar.

|  Redação – Canal Rural

Fonte: Canal Rural