ESPERANÇA – Boi gordo: Bolsonaro diz que preço da arroba pode cair em 3 ou 4 meses

Contudo, o presidente afirmou que não é um alternativa do governo tabelar o valor da carne para controlar os preços no mercado interno

carne

Bolsonaro afirmou ainda que apesar do momento de escassez do produto, pecuaristas estão trabalhando para aumentar a produtividade . Foto: AEN-PR/divulgação

Durante uma transmissão ao vivo no Facebook, nesta quinta-feira, 28, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o preço da carne bovina pode cair em três ou quatro meses, segundo estimativa da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. “O pessoal está reclamando do preço carne e com razão, já que os preços subiram muito. O mundo começou a comprar mais do Brasil, e está faltando para colocar na prateleira dos supermercados’, disse.

Bolsonaro afirmou ainda que apesar do momento de escassez do produto, pecuaristas estão trabalhando para aumentar a produtividade e produção. “ O pecuarista está buscando modo de aumentar a sua produtividade para atender não somente a demanda externa mas do mercado interno também’. 

  • Segundo o presidente, não é um alternativa do governo tabelar o valor da carne para controlar os preços. ‘Não podemos aqui tomar medidas que não deram certo em nenhum lugar do mundo, como exportar menos para abastecer o mercado interno. A nossa política é mercado aberto, e logicamente os pecuaristas estão sendo favorecidos com o cenário’, alertou ele.

    Bolsonaro também enfatizou que a alta na demanda está sendo puxada pela China, principalmente em decorrer da peste suína africana, que dizimou metade do rebanho de suínos do país asiático.

    Gilson Machado Neto, presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), que também esteve presente durante a live, declarou que o pecuarista brasileiro perdeu muito dinheiro nos últimos 15, 16 anos, muito por conta do cartel dos frigoríficos, ou seja, a atividade estava achatada no prejuízo.

    Histórico de alta

    Nas últimas semanas, a arroba do boi gordo passa por seguidos movimentos de alta no mercado. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em menos de três meses, alguns cortes registraram alta acima de 50%, como o contrafilé. Para o coxão mole, a alta foi de 46% no custo do produto, que, consequentemente, foi repassado ao consumidor final.

    Para os pecuaristas, os preços atingiram os maiores valores da história, com sucessivos recordes. Para se ter ideia, o preço saiu de R$ 155,70 no início de setembro e atingiu R$ 231 nesta semana, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). No entanto, há consultorias que já relatam que a arroba do boi gordo atingiu R$ 235 em algumas regiões do país.

    Por Kenia Santos, de São Paulo (SP)

    Fonte : Canal Rural