- Ricardo Alfonsin Advogados - https://alfonsin.com.br -

ESPECIAL – Arroz: ‘O caminho para uma remuneração melhor é exportar’

Produtores do Rio Grande do Sul aguardam com ansiedade pela abertura de novos mercados e definição de nova cota para o México

A produção de arroz do Rio Grande do Sul registrou quebra de 1 milhão de toneladas na safra 2018/2019. Apesar disso, o Brasil exportou 1,320 milhão de toneladas e importou pouco mais de 917 mil toneladas do cereal no ano passado.

De acordo com o analista Gabriel Castagnino, da Safras & Mercado, a expectativa é de que as aquisições fossem maior do que as vendas no mercado internacional, justamente por conta das perdas. “O dólar, que chegou a R$ 4,20, acabou dificultando as importações e facilitando as exportações”, diz.

O produtor Arnaldo Eckert, de Tapes (RS), conta que ao longo dos anos notou a diferença que exportar faz na rentabilidade. “É a solução para ter uma remuneração melhor. O caminho é esse: exportar”, afirma.

Para a safra 2019/2020, as expectativas do presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) [1], Alexandre Velho, são positivas. “Com a produção brasileira estabilizada em 10,5 milhões de toneladas e projeção de aumento de 2,8% no consumo nos trazem um pouco de otimismo em relação ao mercado”, conta.

A abertura de novos mercados é uma metade para os dirigentes do setor. A grande expectativa é a definição da nova cota para o México. “Trabalhamos muito forte pela venda do arroz em casca, porque realmente é o arroz que traz o reflexo imediato ao produtor”, comenta Alexandre Velho.

Por Thais D’Avila, de Cachoeirinha (RS)

Fonte : Canal Rural

Compartilhe!