Escritórios contratam executivos do mercado

Claudio Belli/Valor / Claudio Belli/Valor
Alfredo Ferrari deixou a Nextel, após 16 anos, para assumir o cargo de CEO no escritório Siqueira Castro

Alguns escritórios de advocacia têm quebrado uma tradição do meio jurídico e buscado no mercado profissionais de outras áreas ou grandes companhias para administrarem seus negócios. A mudança é explicada, muitas vezes, pelo crescimento da concorrência.

A sócia da JEM Consultoria – empresa que presta assessoria administrativa para escritórios de advocacia – Marta Villares Matta, afirma que há uma tendência de profissionalização de áreas "secundárias" de bancas em razão da competitividade no setor de serviços jurídicos. "Há uma procura por economia de escala", afirma. Por isso, ela acredita que a demanda por profissionais que tenham experiência com produtividade e economia – temas que não são da formação tradicional do advogado – deve crescer.

Um exemplo recente foi a contratação de um ex-executivo da Nextel pelo escritório Siqueira Castro Advogados. Após 16 anos na companhia, os últimos cinco como vice-presidente de novos negócios, Alfredo Ferrari deixou a operadora, controlada pela NII Holdings, e assumiu o cargo de executivo-chefe (CEO) na banca.

A negociação com o escritório durou cinco meses e meio. "Procurávamos um profissional muito específico. A meta era encontrar alguém com experiência de mercado em gestão, mas que também fosse capaz de lidar com advogados", disse Carlos Fernando Siqueira Castro, sócio e ex-CEO do Siqueira Castro. O fato de Ferrari ter formação em direito e ter atuado durante alguns anos na área jurídica da Nextel contribuiu para a escolha do executivo.

Com 22 unidades e 880 advogados, Castro afirma que o escritório apresenta crescimento de 30% ao ano e que para sustentar esse ritmo, a companhia precisava de um executivo para definir estratégias de longo prazo. Além da contratação de Ferrari, os sócios também criaram um comitê gestor, eleito a cada cinco anos, e estabeleceram um plano de carreira para os advogados que ainda não são sócios.

Como executivo-chefe, Ferrari terá a missão de colocar em prática os planos de longo prazo do comitê gestor e impor parâmetros financeiros e metas para a equipe. O executivo também chega com a missão de desenvolver novos serviços para empresas. "Existe muito potencial para inovação nesse mercado. Por ter sido cliente de escritório de advocacia por muitos anos, vejo muitos serviços que são de interesse do mercado empresarial", afirmou Ferrari. Sem dar detalhes, Castro disse que o novo CEO já apresentou três projetos nesse sentido, que serão realizados nos próximos meses.

Tradicionalmente, os escritórios elegem sócios como principais gestores e mantêm especialistas só em áreas operacionais, como a financeira. Outra exceção é Dantas Lee Brock & Camargo Advogados, que contratou como CEO em 2006 o administrador de empresas Carlos Hargreaves. Ele trabalhou por nove anos na General Electric (GE) e passou por companhias como Citibank, Ford e New Holland. "Não tinha conhecimentos sobre a área jurídica quando o escritório decidiu contratar profissionais especializados por área. Houve um tempo de adaptação à natureza do negócio, mas as exigências de gestão são semelhantes às de outros setores", afirmou Hargreaves".

O escritório, que possui em torno de 500 advogados, adota métricas de produtividade e lucratividade, plano de carreira e, segundo o sócio sênior Yun Ki Lee, esses parâmetros contribuíram para reter talentos.

O escritório TozziniFreire Advogados, que possui 450 advogados, também instituiu uma gestão mais profissionalizada há 20 anos, incluindo a definição de planos de carreira, programa de participação nos lucros, treinamentos e a instalação de um comitê executivo responsável pelo desenho das estratégias de longo prazo. A escolha do CEO, no entanto, foi feita de forma tradicional, com a eleição do sócio Fernando Serec para tocar a banca. "O escritório não abre mão de ter à frente um advogado, que conhece o mercado e está em contato com os clientes", disse Serec.

O Pinheiro Neto, que possui 400 advogados incluindo sócios, também manteve um CEO que é advogado e já era sócio da empresa para realizar uma gestão estruturada da banca. Alexandre Bertoldi, CEO ou sócio-gestor do escritório, define a estratégia de longo prazo com os demais sócios, elege novos e faz a representação institucional do escritório. Essa estrutura é mantida pelo Pinheiro Neto Advogados há cerca de dez anos.

Procurada pelo Valor, a Nextel informou por meio de sua assessoria de imprensa que Ferrari deixou a empresa motivado pelo "desafio que o Siqueira Castro vai proporcionar à sua carreira". A Nextel ainda não escolheu um novo executivo para ocupar o cargo. A companhia informou que avalia internamente possíveis substitutos a Ferrari. (Colaborou Beatriz Olivon)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/legislacao/3598082/escritorios-contratam-executivos-do-mercado#ixzz367sTK1eC

Fonte: Valor | Por Cibelle Bouças | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *