ESCÂNDALO A GALOPE | Fraude na Europa valoriza carne de cavalo brasileira

Inspeção e fiscalização eficientes garantem confiabilidade ao produto do país

O escândalo da carne de cavalo erroneamente rotulada como carne bovina em refeições congeladas, começou na Irlanda e se espalhou pela Europa. Ontem, a gigante sueca Ikea anunciou que retirará de 15 países do continente europeu almôndegas de carne suspeitas de conter carne de cavalo, após análises feitas na República Checa.
Para especialistas, o problema está na fraude e não no consumo da carne de cavalo – incomum aos brasileiros, mas considerado uma iguaria em diversas culturas, além de saudável e nutritiva.
Na contramão dos prejuízos das indústrias europeias, a produção de carne de cavalo pode ser valorizada, trazendo vantagens, principalmente para o maior frigorífico de abate de equinos em atividade no Brasil, o gaúcho Foresta. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antonio Jorge Camardelli, a valorização tende a ser um reflexo da confiabilidade no sistema brasileiro de inspeção:
– O mercado consumidor de carne de cavalo é solidificado. Havendo demanda, optará pelo produto que tem inspeção rigorosa, como o brasileiro.
Venda ainda é tratada com reserva no Estado
Camardelli garante que não há risco de o Brasil vender carne de cavalo como sendo bovina porque o sistema de inspeção e fiscalização do país é “extremamente confiável”:
– O Ministério da Agricultura acompanha o abate, o processamento da carne e os equipamentos usados. Nenhum produto sai do frigorífico para a indústria sem certificação.
De origem uruguaia, o Foresta funciona em São Gabriel, na Fronteira Oeste, há 17 anos, e dedica-se exclusivamente ao abate de equídeos (cavalo, jumento e mula). Recebido com desconfiança pela população, acostumada a tratar dos cavalos com cuidados especiais – o animal é um parceiro do homem do campo –, o frigorífico sentiu que, com o tempo, as pessoas se acostumaram com a ideia.
– Perceberam que os animais mais velhos ou sem finalidade, que seriam sacrificados de qualquer forma, poderiam ser uma oportunidade de negócio – diz Marcelo Caleffi, do Foresta.
Ainda assim, o assunto é tratado com reserva, como observa Renato Cunha Fagundes. Criador de gado, ovinos e produtor de arroz, vende, por ano, entre dois e três cavalos:
– Muita gente vende, e quase ninguém admite por medo, devido à tradição. Não tenho problema com isso, porque estou dando utilidade aos animais velhos ou muito bravos.
O quilo de carne equina custa entre R$ 0,30 e R$ 0,90. O de carne bovina, vale mais: no mínimo, R$ 3,20.
vanessa.kannenberg@zerohora.com.br

VANESSA KANNENBERG

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *