Escassez obriga a compra de soja de outros Estados

Com a seca reduzindo a quantidade e a qualidade da soja no Estado, a indústria já iniciou a compra do produto vindo de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde os problemas com estiagem foram menores. Ao menos 2 milhões de toneladas devem ser compradas – operação que pode superar a da safra 2004/2005, quando o Rio Grande do Sul atravessou uma das piores secas.
Aquantidade é estimada pelo diretor da Câmara Temática de Agroenergia do Estado, Valdecir Zonin. Embora o governo não tenha dados concretos da quantidade comprada na época, a tese é sustentada na ampliação de produção e no aquecimento do mercado.
– Na safra 2004/2005, a expectativa era colher 8 milhões de toneladas e tivemos uma perda de 75%. Este ano, a estimativa era colher quase 11 milhões de toneladas, ou seja, 3 milhões a mais. Mesmo que a perda seja inferior a 75%, este ano é mais significativa devido à produção maior. Além disso, o mercado aqueceu com a produção de biodiesel – sustenta Zonin.
Até mesmo na fartura de grãos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul existem problemas. Um volume grande de chuva próximo do período da colheita resultou em um grão ardido – quando há muita umidade e menor índice de óleo.
– A escassez e a baixa qualidade devem se refletir no segundo semestre. Isto afeta diretamente a capacidade de processamento – aponta Thiago Milani, operador de mercado da Camera, indústria que processa óleo e biodiesel no Estado.
A compra de outros Estados também aumenta os custos, devido ao preço dos fretes e às taxas de ICMS.
– Com certeza, haverá diminuição no ritmo de produção – completa Fábio Trigueirinho, secretário-geral da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

Fonte: Zero Hora  | roberto.witter@zerohora.com.br | ROBERTO WITTER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *