Entidades em alerta com possíveis mudanças na política agrícola dos EUA

PORTAL DO AGRONEGÓCIO

Observadores atentos da atual conjuntura econômica dos Estados Unidos, o setor agrícola mato-grossense liderado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT) têm se preocupado com as tomadas de decisões em relação às mudanças na politica econômica agrícola estadunidense. Para tanto, desde a última quinta-feira (05.05), a comitiva mato-grossense tem visitado vários órgãos representativos daquele país a fim de precaver qualquer tipo de prejuízos para economia brasileira. Evidentemente, em se tratando de commodities agrícolas qualquer tomada de decisão afeta a produtividade e, consequentemente, o produtor rural..
Popularmente conhecida como Farm Bill – a lei da política agrícola dos EUA, em vigor até 2012 está sendo revisada pelo Departamento de Agricultura dos EUA. Segundo informações do presidente da Aprosoja, Glauber Silveira, o governo daquele país deverá cumprir uma série de compromissos e obrigações nesse período. Entre eles a redução de quase 20% sobre os subsídios agrícolas, colocando em risco a produção de etanol e biodiesel. “São medidas internas que acabam afetando a todos, pois poderá ocasionar sobra de produtos, como é o caso do milho, refletindo na queda os preços”, considera.
Conforme explicou Glauber Silveira os subsídios são incentivos fundamentais para a produção de etanol e abastecimento de alimentos em todo o mundo. “O nosso compromisso é entender o cenário econômico e nos precaver com as mudanças da política americana”, comentou. Ele disse ainda que atualmente o governo passa por graves problemas de endividamento, o que, de fato, tem propiciado a revisão das questões socioeconômicas do país. De forma geral, a redução do teto orçamentário para os subsídios agrícolas foi recebida à comitiva brasileira com ressalvas.
A comitiva liderada pelo presidente da Aprosoja, Glauber Silveira, contou com a presença do diretor executivo da entidade, Marcelo Duarte, além do diretor executivo da Famato, Seneri Paludo e o superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária, Otávio Celidonio. Eles estiveram com o diplomata Horrys Friaça Silva, nomeado pelo Itamaraty para missões diplomáticas no exterior para exercer a função de adido agrícola junto à Embaixada do Brasil em Washington. A comitiva brasileira também esteve em visitas ao Congresso e Senado americano. E também em audiência junto ao embaixador do Brasil nos EUA, o diplomata Mauro Vieira para tratar do assunto e buscar medidas substanciais para evitar qualquer tipo de colapso.
Farm Bill
Desde a administração George W. Bush já havia proposta de um corte de US$ 18 bilhões nos subsídios aos produtores agrícolas dos Estados Unidos nos próximos cinco anos. A redução faz parte das propostas para a revisão da lei agrícola americana. No total, a nova Farm Bill estima gastos com subsídios de US$ 87 bilhões nos próximos cinco anos, ante US$ 105 bilhões dos cinco anos anteriores. O governo quer cortar os subsídios pagos aos maiores e mais rentáveis produtores do país. A ideia é que os subsídios sejam reduzidos para aqueles que têm rendimento bruto ajustado de mais de US$ 200 mil ao ano.