CAMPO ABERTO: NEGOCIAÇÃO DO FUNRURAL PELA LEI

Parlamentares pretendem derrubar alguns dos 24 vetos de Temer à nova lei

A sanção da lei para negociação de dívidas do Funrural, publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União, está longe de colocar ponto final na novela envolvendo a contribuição previdenciária do agronegócio. Parlamentares prometem tentar derrubar alguns dos 24 vetos do presidente Michel Temer.

– Nos dedicamos para que o estrago ao setor fosse o menor possível. O que não conseguimos garantir agora, tentaremos recuperar na análise dos vetos pelo Congresso Nacional e derrubar – afirmou Nilson Leitão (PSDB-MT), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Há ainda a permanente expectativa pela modulação dos efeitos da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que em março do ano passado considerou constitucional a cobrança do Funrural, revertendo decisão anterior. Em tese, o órgão poderá decidir que o pagamento não seja retroativo – embasados na avaliação de 2010, muitos produtores deixaram de contribuir de lá para cá, criando passivo bilionário.

Para o advogado Ricardo Alfonsin, especialista em dívidas agrícolas, a versão da lei que teve aval de Temer ficou muito semelhante à medida provisória 793, com poucas alterações.

Um dos pontos barrados é o desconto de 100% para multas e encargos legais de produtores pessoa física e jurídica.

Como a lei ainda precisa ser regulamentada, o prazo dado para a adesão ao programa de regularização tributária é considerado apertado e poderá ter de ser ampliado. Ele também aposta que a bancada ruralista tentará derrubar o veto ao desconto de multa e encargos.

Entre as surpresas positivas, Eduardo Condorelli, assessor da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), aponta a manutenção do trecho que permite ao produtor escolher se quer contribuir sobre a folha ou sobre a comercialização.

– Isso é muito importante, porque as atividade rurais são muito variadas – afirma Condorelli, acrescentando que a lei sancionada será avaliada em detalhes pela Farsul assim que a entidade retornar do recesso, na próxima semana.

O que foi mantido

A renegociação engloba dívidas acumuladas até 30 de agosto de 2017. Adesão tem de ser até 28/2.

Redução de 4% para 2,5% do percentual total da dívida a ser dado como entrada.

As dívidas poderão ser parceladas em até 176 vezes com mais 60 meses para quitação total, caso o montante ainda não tenha sido liquidado. Corrigido pela Selic.

Opção de recolhimento de 20% sobre a folha ou 1,2% sobre a produção a partir de 2019 para pessoas jurídicas ou físicas.

Redução da alíquota de contribuição do produtor rural pessoa física para 1,2%, já em vigor.

Se houver modulação no STF com relação ao tema do Funrural, o produtor que aderiu à renegociação da dívida poderá parar de pagar as parcelas.

O que foi vetado

Redução da alíquota de contribuição de 2,5% para 1,7% ao produtor pessoa jurídica a partir de fevereiro de 2018.

Descontos de 100% das multas e encargos legais para produtor rural pessoa física e jurídica.

Isenção de contribuição na comercialização destinada ao plantio, reflorestamento, reprodução pecuária ou granjeira.

Fonte: Zero Hora

10/01/2018 – 21h15minAtualizada em 10/01/2018 – 21h15min

GISELE LOEBLEIN