Enquanto Brasil tem recorde, EUA têm déficit na balança do agronegócio

Gastos dos americanos com importações até abril superam em US$ 786 milhões as receitas com exportações

4.jun.2020 às 23h15

Nos quatro primeiros meses deste ano, os Estados Unidos registraram déficit na balança do agronegócio em três deles. De janeiro a abril, as importações superaram em US$ 786 milhões as exportações.

Esse déficit ocorre, em boa parte, devido à política externa agressiva do presidente Donald Trump, principalmente com a China. Ele exige parceria dos chineses, mas, ao mesmo tempo, não deixa de provocar o país asiático constantemente.

De outubro de 2019 a abril último, as receitas dos americanos com as vendas externas de produtos do agronegócio somaram US$ 81,9 bilhões, apenas US$ 3,9 bilhões a mais do que as importações.

Agricultura: o capítulo aborda as questões relativas a barreiras comerciais neste setor. A proposta, segundo o documento, é expandir a exportação de alimentos, frutos do mar e produtos agrícolas dos EUA. O texto também fala sobre a discussão de barreiras não-tarifárias a produtos americanos como carne, aves, arroz, laticínios, alimentos para animais e produtos de biotecnologia

  • Agricultura: o capítulo aborda as questões relativas a barreiras comerciais neste setor. A proposta, segundo o documento, é expandir a exportação de alimentos, frutos do mar e produtos agrícolas dos EUA. O texto também fala sobre a discussão de barreiras não-tarifárias a produtos americanos como carne, aves, arroz, laticínios, alimentos para animais e produtos de biotecnologia Tom Gannam/Reuters
  • Esses números deveriam ser maiores, uma vez que americanos e chineses assinaram protocolo comercial no final da primeira quinzena de janeiro.

    Apenas nos dois últimos meses, saíram pelos portos brasileiros 32 milhões de toneladas de soja.

    Esse avanço das exportações brasileiras se deve às compras da China, que está refazendo seus estoques.

    Em março deste ano, porém, os chineses compraram apenas 209 mil toneladas de soja dos americanos, 85% menos do que em igual período de 2019.

    Apesar da boa presença do Brasil no mercado externo, o país poderá ter alguns obstáculos pela frente, assim como os americanos.

    Nesta semana, o Parlamento holandês rejeitou o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul, alegando questões ambientais e trabalhistas no Brasil. O acordo só pode ser ratificado se todos os países componentes do bloco o assinarem.

    As pressões vieram também dos Estados Unidos. Alegando os mesmos problemas, o comitê de assuntos tributários da Câmara dos deputados disse que se opõe ao acordo Brasil-Estados Unidos pretendido pelo presidente Trump.

    Essa discussão deverá ficar ainda mais acirrada quando forem divulgados dos dados de desmatamento deste ano que. Pelas informações provisórias, os números estão acima dos do ano passado.

    Diferenças O Chile importou 65,2 mil toneladas de carne bovina no primeiro trimestre deste ano. O Brasil foi o maior fornecedor dessa proteína para os chilenos, mas recebeu, em média, US$ 4.586 por tonelada. Os americanos receberam US$ 8.510.
    Abaixo da média O índice médio de vegetação do milho está abaixo do da média da safra da anterior na maioria das regiões produtoras do país. Norte de Mato Grosso e sul de Goiás têm índices acima da média e próximos dos da safra anterior.
    Apoio às estimativas O índice serve para um monitoramento das lavouras e é um indicador de apoio às estimativas de safra. O levantamento foi feito pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) nos primeiros vinte dias de maio.
    Equilibrados A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, diz que, apesar do dólar elevado, os custos de produção deste ano estão equilibrados.
    Seguro rural Participando de evento online da FGV Agro, a ministra diz que ainda aposta em um volume de R$ 1,5 bilhão para o seguro. “Ele é importante para o crescimento da nossa agricultura”.
    Trigo Os produtores do Rio Grande do Sul estão iniciando o plantio. Os bons preços do cereal deverão garantir um aumento de área nesta safra, em relação à anterior.
    Argentina Os argentinos, impulsionados pelos bons momentos do trigo, também avançam no plantio, que já atingiu 30% da área no país. Na safra anterior, eram apenas 20% neste período do ano.
    Dicamba O Tribunal de Apelações do Nono Circuito dos EUA suspendeu os registros atuais de determinados produtos à base de dicamba de baixa volatilidade, incluindo o XtendiMax da Bayer. A empresa discorda da decisão e diz que está avaliando as opções de recurso.

    Vaivém das Commodities

    A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

    Fonte: Folha

    Compartilhe!