Empresas se preparam para o Natal do frango

Para Francisco Turra, presidente da ABPA, pode haver alta de preços no fim do ano
Já em fase de preparação nas redes varejistas e frigoríficos do país, a ceia de Natal dos brasileiros tende a ser mais acanhada no cardápio de produtos importados, mas as carnes tradicionais que compõem o prato principal, como o peru e o "superfrango", não devem faltar. Pelo contrário. A indústria de carnes está elevando a produção de itens voltados às festas de fim de ano, a despeito da crise econômica.

Mas isso não significa que os frigoríficos passarão incólumes pela conjuntura adversa, marcada pela elevada inflação. A tendência é que a concorrência seja mais acirrada neste fim de ano, com os consumidores privilegiando marcas mais baratas, movimento já visto no mercado de alimentos processados como um todo. Nesse sentido, a oferta de aves natalinas com marca própria – e bem mais baratas – das redes varejistas pode ganhar força no país.

"Não está no meu planejamento vender menos", afirmou ao Valor o gerente nacional de aves e suínos do Grupo Pão de Açúcar, David Buarque. De acordo com o executivo, que já fechou parte das encomendas para o fim do ano, a rede varejista vai distribuir um volume cerca de 5% maior na comparação com período de festas de 2014.

Para garantir esse crescimento, o Pão de Açúcar adotou como estratégia elevar a oferta do ‘superfrango’ com a marca própria Qualitá, produzido sob encomenda pelos frigoríficos Zanchetta, Macedo (JBS Foods) e Mauricéia. O produto é cerca de 20% mais barato do que os principais concorrentes – o Chester Perdigão, da BRF, e o Fiesta, da JBS Foods -, indicou o executivo do grupo.

"Há uma crise. Então, vamos oferecer uma ave mais barata para quem quiser", disse Buarque. Com essa oferta, a rede varejista prevê que, do volume total vendido de aves natalinas, entre 18% e 20% sejam do produto com a marca própria. Em 2014, essa fatia ficou em torno de 15%.

De toda forma, a aposta é de pelo menos manutenção do volume de vendas, reforçou. "O consumo das aves especiais é muito tradicional. O que pode haver é substituição entre as marcas, mas acho que não perde volume", disse. O raciocínio também é válido para os cortes de suínos mais vendidos no período – lombo e pernil.

Apesar dessa busca por preços mais baixos prevista pelo varejo, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, acredita na possibilidade de valores mais altos, uma vez que as exportações de carnes de frango e de peru estão mais aquecidas, o que pode reduzir a oferta doméstica.

Líder na produção de carne suína e de frango, a BRF também avalia que as vendas crescerão. Segundo o diretor nacional de vendas da empresa, Rafael Ivanisk, a BRF tem como um de seus principais trunfos nas festas deste ano o retorno da marca Perdigão aos mercados de tender, lombo e pernil. "Vai ser o primeiro Natal com o retorno dos três".

Para que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) permitisse a criação da empresa – fruto da união entre Sadia e Perdigão – em 2012, a BRF retirou algumas categorias de produtos nas quais tinha participações de mercado muito altas. Três anos depois, a BRF pode retomar as categorias.

Ivanisk argumentou ainda que a BRF tem um portfólio diversificado para resistir à concorrência no segmento de aves natalinas. "Estamos preparados para atender o mercado, seja com o portfólio mais premium, seja com aves mais baratas", disse, ressaltando que o planejamento para o Natal foi iniciado dois meses antes do habitual e que as análises da companhia já consideraram o momento da economia brasileira.

Embora a crise gere um movimento de migração para marcas mais baratas, o executivo da BRF avalia que isso não deve ocorrer nas festas de fim de ano. Ao longo deste ano, as marcas de alimentos processados da própria BRF, mais caras, perderam participação por conta desse movimento.

"O Natal é um momento importante para a família. Então, acreditamos que esses produtos [as aves natalinas] não estarão no ‘trade down", afirmou. Mesmo no caso do peru, produto mais nobre do Natal entre as carnes, a BRF prevê crescimento do volume vendido. Ele também indicou que os itens natalinos da empresa estarão mais caros que em 2014. Conforme Ivanisk, o reajuste ficou um pouco abaixo da inflação.

Principal concorrente da BRF, a JBS Foods, dona da marca Seara, está ainda mais otimista, e acredita que continuará ganhando fatia de mercado. A expectativa da empresa é de que o volume de vendas da linha de produtos natalinos cresça dois dígitos, disse o diretor do negócio de industrializados e suínos da JBS Foods, Eduardo Bernstein.

As vendas de peru para o Círio de Nazaré, tradicional festa que ocorre no segundo domingo de outubro no Pará e que tem como um dos pratos o peru no molho de tucupi, cresceram, o que é um bom indicador para as festas de fim de ano, acrescentou Bernstein.

O diretor da JBS Foods também disse que, para a Seara, não houve qualquer movimento de migração para categorias mais baratas. "Não se pode falar em ‘trade down’ quando estamos ganhando participação de mercado", afirmou, ressaltando que a estratégia baseada em fortes investimentos em marketing está dando resultados e valorizando a marca da empresa.

Assim como a BRF, a JBS Foods também reajustou preços de seus produtos de Natal em relação a 2014. Mas, segundo Bernstein, esse reajuste será em um nível "bem abaixo" da inflação. "Estamos repassando uma parte do custo", afirmou o executivo. A disparada do dólar em setembro afetou o preço dos grãos usados na ração.

Para a JBS como um todo, nem mesmo as vendas de carne bovina deverão registrar queda, apesar de 2015 ser um ano particularmente negativo para o produto no mercado interno, avaliou o gerente executivo de inteligência comercial da JBS, Waldir Cicerelle Junior. Segundo ele, a possibilidade de a crise diminuir o número de viagens pode até estimular mais churrascos em casa no fim do ano. E como Natal e Ano-Novo ocorrerão numa sexta-feira, os churrascos poderiam até se prolongar nos fins de semana.

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo
Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *