Empresas fumageiras pagam abaixo do preço do tabaco no RS

Entidades que representam os produtores fizeram uma nota com o alerta de que o setor possa entrar em processo de desmonte por causa do preço praticado

06 de julho de 2020 às 20h33

Por Débora Fabrício, de Porto Alegre (RS)

No Rio Grande do Sul, o clima impactou na produção de fumo. Em algumas propriedades, a quebra da safra chega em até 15% em relação ao passado. As entidades que representam os produtores emitiram uma nota em conjunto com o alerta para a possibilidade de desmonte do setor produtivo.

O documento é assinado por federações dos três estados do sul e pela Associação dos Fumicultores do Brasil. As entidades ressaltam que, além das perdas na produção devido à estiagem, ainda há maior rigor na classificação do produto pelas indústrias, diminuindo a rentabilidade dos fumicultores.

O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio grande do Sul (Fetag), Carlos Joel da Silva, pede que as empresas revejam o conceito sobre integração e voltem a valorizar os produtores de fumo do Sul do país

O Canal Rural entrou em contato com o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco) que disse que não vai se manifestar, uma vez que não participa da negociação do fumo. O assunto é tratado diretamente entre as empresas e os produtores.

Nós também tentamos ouvir a JTI, com sede em Santa Cruz do Sul, que tem parceria na produção do fumo com 11 mil produtores rurais. A empresa também não quis se manifestar sobre o assunto.

Fonte: Canal Rural

Compartilhe!