Empresas de máquinas optam por participar da Expodireto

Ajustes de datas fez com que grandes fabricantes desistissem de participar da Show Rural, no Paraná, primeira exposição do calendário anual

Empresas de máquinas optam por participar da Expodireto Diogo Zanatta/Especial

Exposição realizada no Estado será a primeira a ter participação das principais marcas do setor de máquinas e implementos Foto: Diogo Zanatta / Especial

Com a decisão de grandes empresas do setor — Massey Ferguson, Valtra, John Deere, Case IH e New Holland — de não participar da Show Rural Coopavel, em Cascavel, no Paraná, a Expodireto-Cotrijal, de Não-Me-Toque, vai ganhar ainda mais destaque no cenário nacional. A feira paranaense costuma ser a primeira do calendário — será de 1º a 5 de fevereiro —, onde as indústrias apresentam as inovações tecnológicas e lançamentos do setor.

Por uma questão de ajustes de datas — a cooperativa de Cascavel pensou em mudar o período de realização, mas depois voltou atrás —, as companhias acabaram optando por Não-Me-Toque. E com essa mudança, deve ser no município do norte gaúcho a grande estreia das novidades das fabricantes.

— Para nós, foi gratificante terem se definido pela Expodireto, foi um reconhecimento — avalia Nei César Mânica, presidente Expodireto/Cotrijal.

Leia mais: empresas de máquinas querem ampliar fatia de mercado

O lançamento oficial será feito em Porto Alegre, no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, em fevereiro, com data ainda por definir, conforme a agenda do governador José Ivo Sartori. Mânica garante que não ficou nenhuma saia justa com relação à Coopavel, porque houve tentativa de conciliar as agendas.

— Apresentamos opções de datas, em razão da antecipação do calendário agrícola, e nos adequamos ao pedido de todos. As empresas que pensam a longo prazo estarão na feira. A economia é cíclica e o produtor voltará a investir — diz Dilvo Grolli, presidente da Coopavel.

Sobre os negócios na feira gaúcha, Mânica entende que é cedo para fazer prognósticos, mas que repetir a dose de 2014 — quando somou R$ 2,1 bilhões, seria "um resultado e tanto".

Fonte: Zero Hora

Por: Gisele Loeblein*

06/01/2016 – 06h08min

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *