Embarques de cooperativas caíram 2,3% até novembro

Alinhadas com o desempenho do agronegócio ao longo de quase todo o ano, as exportações das cooperativas agrícolas brasileiras fecharam os onze primeiros meses deste ano com recuo de 2,3% em relação ao mesmo período de 2015, alcançando US$ 4,7 bilhões – ainda que em novembro tenham obtido leve alta de 1,5% em relação a igual mês de 2015, para US$ 332 milhões.

Embora a receita tenha caído, em volume, as vendas somaram 8,5 milhões de toneladas de janeiro a novembro, incremento de 5% na comparação com o mesmo intervalo de 2015. De acordo com os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), 146 cooperativas do segmento agropecuário fizeram embarques de janeiro a novembro.

Já as importações das cooperativas mantêm a tendência de alta em todo o ano e subiram 45,6% entre janeiro e novembro, para US$ 394,4 milhões. O item mais importado no período foi o milho, que respondeu por US$ 45,3 milhões, valor quase quatro vezes maior que o verificado em igual período de 2015. Com isso, o superávit da balança comercial das cooperativas atingiu US$ 4,332 bilhões nos onze primeiros meses de 2016, resultado 5,16% menor que o visto no mesmo intervalo de 2015.

Entre os produtos mais exportados pelas cooperativas no acumulado do ano até novembro, os cortes e miúdos de frango ocuparam mais uma vez o primeiro lugar, com receita de US$ 855,7 milhões, alta de 3% frente ao mesmo intervalo de 2015.

Em seguida, vieram os embarques de açúcares, cujas vendas chegaram a US$ 626,4 milhões, 7,8% a mais que em igual período do ano passado. E na sequência, o café em grãos, que acumulou uma queda de 28,4% para US$ 603 milhões. A soja em grãos, que geralmente lidera as exportações do agronegócio como um todo, recuou 3,2% para US$ 585,2 milhões.

A China mais uma vez figurou como o principal destino para as vendas externas das cooperativas agrícolas. De janeiro a novembro de 2016, os embarques desses grupos ao país asiático somaram US$ 945 milhões, 13,6% a mais que o total alcançado no mesmo período de 2015.

O segundo país que mais importou os produtos das cooperativas brasileiras foi a Alemanha. Os embarques ao país somaram US$ 354 milhões, baixa de 4% no mesmo intervalo de comparação. No terceiro posto, vieram os Estados Unidos país responsável por US$ 352 milhões das exportações brasileiras do segmento, número que também trouxe um recuo, caindo 16,7% ante janeiro a novembro de 2015.

Quando se consideram os resultados das vendas de cooperativas agrícolas ao exterior somente em novembro, as receitas cresceram pouco mais de 1%, favorecidas pelos embarques de café, açúcar e óleo de soja. Enquanto as importações recuaram 10,5% para US$ 25,2 milhões, e o saldo comercial foi superavitário em US$ 311,7 milhões.

"Apesar das crises econômica e política neste ano, as cooperativas consolidaram mercados, e suas exportações vêm na mesma velocidade do ano passado", diz Paulo César Dias, coordenador do Ramo Agropecuário da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB).

Por Cristiano Zaia | De Brasília

Fonte : Valor

Compartilhe!