Em meio à crise do frete, vendas de caminhões aumentaram 50%

Há uma crise no setor de transportes e isso é fato. Ao mesmo tempo, no entanto, as vendas de caminhões apresentaram aumento de 50% no primeiro semestre de 2018 se comparado com o mesmo período do ano anterior.

Para quem duvida que devemos tomar conta do agronegócio como um sistema, ou a qualquer momento perderemos tudo, trago mais um exemplo espetacular: o assunto dos caminhões.

Uma tabela de diesel mal apresentada e pessimamente vendida para a sociedade mobilizou os caminhoneiros e, o que deveria ser uma justa negociação nos custos dos fretes, se transformou no tal insensato tabelamento.

(Foto: Divulgação/MAN)

Um erro leva a outro, e muitas vezes em proporções gigantescas.

Com a crise e a ilegalidade na contratação de fretes fora dessa tal tabela de preços mínimos, observamos um espetáculo de vendas de caminhões no país.

Com a insegurança do transporte rodoviário, onde o agronegócio brasileiro tem total dependência, está ocorrendo uma aquisição de caminhões por parte das indústrias, do comércio e dos produtores, que passarão a ter frotas próprias.

Isso segue na total contramão da evolução, que envolve criar ativos naquilo que não é a essência da sua atividade. E o pior disso é que, com mais caminhões, haverá menos trabalho para os caminhoneiros autônomos e, sem dúvida, serão eles que irão pagar por esse impressionante erro de administração.

Um dos fatores mais críticos para o agronegócio nos próximos 10 anos está na sua capacidade de gestão sistêmica e isso significa, por exemplo, saber administrar uma cadeia produtiva, como a soja, desde a edição gênica das novas sementes, passando pelos sensores de agricultura de precisão, por máquinas de precisão na pesagem de sólidos, por vias de logística seguras e eficientes, portos e chegadas até as unidades de processamento numa gestão real de cadeia de valor.

Quando não fazemos agronegócio no seu maior fundamento, visão e gestão sistêmica, jogamos um elo da corrente contra o outro.

Caminhoneiros versus produtores rurais, um jogo que criou adversários, quando deveria ser de parcerias e cooperação.

Publicado por: José Luiz Tejon Megido

Fonte: Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *