ECONOMIA – Taxa de juros sobe para 3,5% e BC indica outra alta da mesma magnitude em junho

Banco Central anunciou nesta quarta-feira (5/5) a segunda alta seguida de 0,75 ponto percentual da Selic em meio a cenário de aumento da inflação

Banco Central em Brasília 29/3/2019 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

(Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira (5/5) a segunda alta consecutiva de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros, para 3,5%, e indicou a intenção de fazer novo aperto da mesma magnitude em sua próxima reunião, em junho.

O movimento ocorre em meio ao aumento persistente da inflação corrente e das expectativas para a inflação de 2022.

"Neste momento, o cenário básico do Copom indica ser apropriada uma normalização parcial da taxa de juros, com a manutenção de algum estímulo monetário ao longo do processo de recuperação econômica", afirmou o Comitê de Política Monetária (Copom) em comunicado em que se mostrou mais preocupado com a inflação do que com a atividade econômica.

"Para a próxima reunião, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude", acrescentou o colegiado, ressaltando que os passos futuros poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação.

O aumento de 0,75 ponto percentual era amplamente esperada pelo mercado, após o Copom ter explicitado a intenção de repetir em maio a dose de aperto promovida na reunião anterior, em março, quando a Selic foi elevada pela primeira vez em quase seis anos.

A projeção do cenário básico do BC, que leva em conta a trajetória para a Selic estimada pelo mercado e uma taxa de câmbio que evolui mantendo a paridade do poder de compra, aponta para uma inflação de 5,1% em 2021 (5% na reunião de março) e de 3,4% em 2022 (3,5% antes). O BC destaca, no entanto, que seu balanço de riscos sugere que esses patamares de inflação podem ser superados por causa do risco fiscal do país.

Sobre a atividade econômica, o BC disse que indicadores recentes mostram uma evolução mais positiva do que o esperado, mesmo com a segunda onda da pandemia da Covid-19 tendo surpreendido negativamente.

"Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia ainda permanece acima da usual, mas aos poucos deve ir retornando à normalidade", disse o Copom.

Normalização

Ao elevar os juros em março, o BC anunciou estar dando início a um processo de "normalização parcial" da política monetária, indicando a intenção de ainda manter um estímulo à economia, com os juros abaixo do patamar considerado neutro (6,5%, segundo cenário básico citado pelo BC no mês passado).

Neste novo comunicado, a autoridade monetária fez um ajuste à linguagem, destacando que "no momento" o cenário básico indica a normalização parcial da taxa de juros como apropriada, "com a manutenção de algum estímulo monetário ao longo do processo de recuperação econômica".

O país tem sofrido uma escalada da inflação, sob a pressão da alta de preços de commodities e, até recentemente, de combustíveis, mesmo em meio à intensificação das medidas de restrição devido ao recrudescimento da pandemia de Covid-19. Como destacado pelo BC em seu comunicado, os patamares mais elevados da bandeira tarifária de energia também prometem manter a inflação pressionada no curto prazo.

O IPCA superou os 6% nos 12 meses até março, acima do teto da meta deste ano, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. A expectativa do mercado é de que a inflação feche o ano em 5,04%, segundo a mais recente pesquisa Focus do BC.

Para 2022, horizonte em que está agora focada a política monetária, as expectativas do mercado apontam para uma inflação de 3,61%, acima da meta central para o período, que é de 3,5%, também sujeita à margem de tolerância. O mercado espera que a Selic feche este ano em 5,5%, chegando a 6,25% no final de 2022.

REUTERS

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *