ECONOMIA – Produtor fica com menos da metade da desoneração do agro, diz CNA

Estudo feito pela entidade indica que o setor é o menos subsidiado da economia

Estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) aponta que a agropecuária é o setor menos subsidiado do País e que mais da metade da desoneração aos produtos do campo não vai para o produtor. Os dados mostram que a agropecuária recebeu R$ 49 bilhões em subsídios públicos em 2017, ou 13,8% de todo o suporte dado pelo Estado.

A indústria obteve R$ 57,5 bilhões sem subsídios, ou 16,2% do total, e os 70% restantes, ou R$ 248,2 bilhões foram concedidos ao setor de comércio e serviços. O levantamento foi feito a partir do orçamento federal 2017 por ser último ano com todos os dados já detalhados, e apresentado pelo coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon, em audiência pública na Câmara dos Deputados.

O estudo mostra também, já com dados previstos no orçamento de 2019, que o porcentual de subsídios para a agropecuária deve recuar para R$ 33,19 bilhões, ou 10,83% do total de suporte dado pelo governo federal. No entanto, R$ 18,03 bilhões, ou 54,3% do total de subsídios R$ 33,19 bilhões ao setor, correspondem às isenções concedidas pelo governo em PIS/Cofins de produtos da cesta básica. Ou seja, a maior parte das desonerações beneficia consumidores, indústria e comércio, e não os agricultores, aponta o estudo da CNA.

Na audiência, Conchon citou também o levantamento da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que aponta o produtor brasileiro entre os menos recebe subsídios sobre o total produzido. "O porcentual do apoio recebido pelos produtores rurais brasileiros ainda é baixo se comparado ao dos principais competidores. Eles recebem como subsídios, apenas 4,6% do total produzido, enquanto os produtores europeus recebem 19,2% e os americanos 10,6%", relatou o coordenador do Núcleo Econômico da CNA.

ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte : Globo Rural