ECONOMIA E NEGÓCIOS – Preço recebido pelo produtor em SP tem alta de 0,16% em fevereiro

Números são do Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

alimentos, mercado, supermercado (Foto: Pexels)

Num movimento de inversão após queda em janeiro, o acumulado dos últimos dois meses apresenta valorização de 1,74% (Foto: Pexels)

O índice de preços recebidos pelos produtores paulistas (IqPR) registrou pequena alta de 0,16% em fevereiro de 2018, na comparação com o mês anterior. Os produtos que apresentaram as maiores altas foram: tomate para mesa (51,71%), ovos (19,67%), banana nanica (10,6%), trigo (7,06%) e algodão (5,4), informou nesta quinta-feira, 29, em nota, o Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

A alta umidade, que provocou doenças nos tomateiros, reduziram a produtividade, aumentando os preços. Nos últimos dois meses, o produto já se valorizou 67,68%. Quanto aos ovos, o aumento pode ser justificado pela alta na demanda em função da Quaresma.

Num movimento de inversão após queda em janeiro, o acumulado dos últimos dois meses apresenta valorização de 1,74%, explicam Eder Pinatti, Danton Leonel de Camargo Bini, Katia Nachiluk e Rejane Cecília Ramos, pesquisadores do IEA. Já os produtos que apresentaram as maiores quedas de preços foram laranja para indústria (-20,2%), feijão (-10,7%), carne suína (-8,57%), arroz (-5,75%) e laranja para mesa (5,02%). Para a laranja para indústria, a baixa demanda do produto processado é a principal justificativa para a queda de preços do produto.

No acumulado dos últimos 12 meses, entre março de 2017 e fevereiro/2018, o IqPR apresentou a maior alta no primeiro mês da série (+3,92). A maior queda (-3,65%), aconteceu em junho de 2017, induzida pelas quedas das laranjas – para indústria e para mesa -, batata e tomate para mesa.

No acumulado dos últimos 12 meses, o IqPR registrou queda de -5,13%, Apesar de a maioria absoluta dos produtos ter apresentado queda no acumulado deste intervalo, o fato do tomate para mesa ter se valorizado 130,17% (maior variação) impediu uma queda mais acentuada para o IqPR.

POR ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *