Doux negocia operações

Alojamento de aves ficará interrompido até conclusão das tratativas<br /><b>Crédito: </b> deoli graff / cp memória

Alojamento de aves ficará interrompido até conclusão das tratativas
Crédito: deoli graff / cp memória

A Doux Frangosul suspendeu o alojamento de aves e paralisou as atividades em plantas fabris no Estado. A entrega de pintos e ração aos criadores será interrompida até o fim das negociações entre a multinacional francesa e um novo investidor, o que deve dar desfecho à novela de atrasos de pagamento que se arrasta desde 2008. Fonte ligada à direção da empresa informa que já foi assinado um memorando de intenções entre a Doux e o investidor, e que as negociações devem ser finalizadas em 90 dias. Informações extraoficiais indicam que a parte interessada seria o Grupo JBS-Friboi. Procurada, a JBS disse que "não comenta especulações". Em Passo Fundo, a unidade de abate está fechada desde o dia 4, informa o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação. Segundo a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação, o mesmo ocorre em Montenegro, que opera só o setor de embutidos.
O presidente da Fetag, Elton Weber, disse estar na expectativa para que o acordo se concretize, o que seria um alívio a produtores. Luiz Orth, de Bom Princípio, é um exemplo de quem aguarda pelo fim do impasse. Com pagamento de lotes atrasado há setes meses, o equivalente a R$ 30 mil, o produtor já recorreu a empréstimos. Ele deixou de alojar aves há 40 dias para reduzir os gastos, após ver parte dos animais morrerem de fome. "Se não sair pagamento nos próximos meses, não sei o que vou fazer." A Fetag aguarda até o final da semana para avaliar o que pode ser feito. "É uma vela no fim do túnel. Estamos apostando para que tudo se resolva."
Ontem, teve fim o drama de parte dos 400 integrados de suínos da empresa. Depois de seis meses, eles começaram a receber a segunda e última parcela prevista. Os depósitos dos valores foram feitos nas contas dos suinocultores em nome da Brasil Foods – BRF. A informação extraoficial é que o pagamento veio após contrato de gaveta entre Doux e BRF, já que esta enfrentaria impedimento do Cade para aquisições. O assunto é tratado com sigilo, já que o contrato com os suinocultores os impede de comentar o assunto com a imprensa. A BRF não se manifestou.

Fonte:  Corrreio do Povo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.