Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante Cerimônia de Erradicação Plena da Aftosa no Brasil e Lançamento do Selo Brasil Livre de Aftosa

Primeiro registro que eu quero fazer é dirigido ao Blairo Maggi. Vocês sabem que o Blairo sempre teve uma vida extremamente exitosa, não só na atividade privada mas particularmente na vida pública.

Na qualidade de senador, teve uma presença política das mais aplaudidas pela população brasileira.

E há poucos dias eu recebi uma notícia que me deixou extremamente orgulhoso, disse-me ele: “olhe aqui, ô presidente, eu acho que eu estou fazendo um bom trabalho e acho que o seu governo vale a pena e por isso eu vou abandonar qualquer pretensão política e vou continuar no ministério”. Isso merece o aplauso de todos, viu, Blairo.

Quero cumprimentar senadora Ana Amélia, o senador Cidinho Santos, o Waldemir Moka, o Wellington Fagundes.

Os deputados federais Nelson Marquezelli, a Tereza Cristina, o Valdir Colatto, aliás todos eles, muito dedicados a causa ruralista.

E acho que isso é uma coisa, viu meus colegas senadores e deputados, é uma coisa muito importante, porque o parlamento é a voz viva da sociedade brasileira.

Muitas e muitas vezes quer se negar esta realidade. Mas é algo que nós devemos sempre rememorar a importância do Legislativo brasileiro. Naturalmente no seu trabalho harmonioso com o Executivo e de igual maneira com o Judiciário.

Essas noções aparentemente triviais, frugais, básicas,  muitas e muitas vezes são esquecidas, e por isso, presidente da Embrapa, Maurício Lopes, eu sempre recordo fatos dessa natureza, porque uma das funções do homem público é exatamente difundir uma cultura que possa parecer óbvia, mas que sendo óbvia muitas vezes é esquecida. E por isso que quando estão aqui aqueles patrocinados hoje, dirigidos pela deputada Tereza Cristina, eu sempre ressalto esse aspecto porque são eles, – veja o que aconteceu no caso Funrural, mencionado pelo Blairo -,   veja que foram eles que foram atrás disso, conversaram com os vários setores, conversaram com o Executivo e chegaram a um bom termo.

Quero cumprimentar também, depois de mencionar o Maurício Lopes, o presidente dos Correios, Guilherme Campos, nosso querido amigo João Martins, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, embaixador Roberto Jaguaribe, o vice-presidente dos negócios de Micro e Pequenas Empresas do Banco do Brasil, Tarcísio Hübner. Aliás, viu, Tarcísio, você sabe que, você sabe tanto quanto eu, há pouco, duas semanas atrás, só para revelar como o Brasil está caminhando, há poucos dias atrás o Caffarelli me ligou e disse: “Olhe, presidente, eu vou lida uma boa notícia: quando nós chegamos aqui há cerca de dois anos, menos de dois anos, a ação do Banco do Brasil, a ação do Banco do Brasil valia R$15,00, hoje vale R$ 45,00 , a significar que o patrimônio público que era cerca de R$ 35 bilhões, passou mais de R$ 120 bilhões.

E eu quero, então dizer, que é com imensa alegria que eu venho a Embrapa participar dessa grande celebração para marcar a erradicação da febre aftosa em todo o Brasil. Aliás, para enaltecer a Embrapa, viu, Blairo, viu, Mauricio, eu quero recordar um fato de quando nós estivemos em Londres, não é verdade? As pessoas lá dá…, os governantes, era uma questão fome, agricultura e etc., e os dirigentes estatais da África e alguns até, havia um milionário que teve um contato conosco, quem era mesmo? O Bill Gates, sim o Bill Gates, teve um encontro conosco. Mas quando teve o encontro conosco, pediu uma chamada bilateral, ele mencionou muito a Embrapa. Eu chamei o Maurício, porque ele queria conhecer exatamente o trabalho que a Embrapa realizava. Portanto, a Embrapa nesse sentido é um orgulho para o Ministério da Agricultura e para o governo, o governo brasileiro.

Portanto, eu devo dizer que esta é uma celebração mais do que justificada. Nós damos, na verdade, mais uma prova de excelência da nossa carne e da nossa agropecuária e da excelência do nosso serviço sanitário. Aliás, há pouco eu comentava com o Blairo, eu recebi uma chamada comissão de notáveis, viu, Moka, que é integrada por grandes empresários japoneses e grandes empresários brasileiros. E, interessante, o Japão só importa uma espécie de carne, e nos diálogos que nós mantivemos, o grupo brasileiro e o grupo japonês falou-se muito da exportação de carnes. Até porque, nós estamos para firmar um acordo do Mercosul com o Japão. E eu vi, pude perceber pelos empresários japoneses, o grande interesse. Até disse ao Blairo: Olhe, precisa voltar ao Japão, porque acho que nós podemos ampliar o mercado de carnes lá no Japão com esse certificado que hoje está sendo comemorado aqui, nesta solenidade, não é?

Portanto, nós, quando de nossa recuperação económica, nós não devemos apenas ao agronegócio brasileiro, mas devemos muito ao agronegócio brasileiro. Quanto de nossas exportações, do nosso superávit comercial, não devemos a esse setor que, convenhamos, é referência de todos. Aliás, o PIB do ano passado e o PIB do ano anterior foi mais elevado precisamente em função do agronegócio, não é?

Eu acho que hoje nós fomos uma potência mundial. A agricultura e a pecuária certamente estão entre elas. E isso é fruto do trabalho dos nossos agricultores, senadora, não é? Convenhamos, o Brasil é um país com uma extensão territorial extraordinária, com mais de 200 milhões de habitantes. Muitas vezes nós vamos por aí, nós vamos a estados que têm pequena dimensão territorial, uma população muito menor, não é? E muitas vezes mais avançados. E nós estamos na trilha exatamente de acompanhar estes avanços extraordinários, que se deram outros países.

Mas o Brasil pode orgulhar-se de estar exatamente nessa trilha de desenvolvimento. Que é grande, que é fruto, digo eu, do trabalho de grandes instituições públicas, como o Ministério da Agricultura, a Embrapa, o Banco do Brasil, que também aqui está representado, não é? E é fruto do trabalho de, volto a dizer, de parlamentares, da CNA, de sindicatos rurais. E assim, com convergência de propósitos e união de forças, que atingimos os nossos objetivos.

E este momento em que nós comemoramos a erradicação da febre aftosa  é o exemplo que podemos fazer quando temos persistência e determinação. E é interessante, o Blairo está me convidando muito, insistindo para ir a Paris. Nós vamos usar, receber lá um certificado, que isto terá  uma repercussão mundial. Vejam como é importante o ato de hoje. Daí, naturalmente, com muito prazer e com muito orgulho, que eu venho, eu venho a esta, a esta instituição e a esse encontro que nós estamos promovendo para eliminar uma doença, como pude perceber,  que chegou ao Brasil, ainda no século 19, e foram muitos anos de pesquisa, de iniciativas nacionais, regionais e globais. Uma luta em que o Brasil esteve sempre na vanguarda, não é? E, aliás, me disseram que foi no Rio de Janeiro que se instalou o centro pan-americano de febre aftosa em 1950, 51. E, aliás, também me disseram que foi em Bagé que se testou a vacina oleosa nos anos 70. Veja quanto tempo passou para que nós pudéssemos, no dia de hoje, comemorar um fato significativo para pecuária brasileira e para o nosso País.

De modo que eu, como presidente da República, devo apenas agradecer a todos aqueles que colaboraram para este evento e especialmente aos Correios, porque a expedição de um selo – o selo  é sempre a ideia da garantia, não é? – então, quando você sela uma coisa qualquer, você está garantindo aquilo, não é senador Wellington? E foi o que o Correio fez. O Correio sempre comparece nos momentos importantes para marcar e remarcar os progressos da vida nacional.

Hoje, o Correio, que me deu a honra, o privilégio de poder carimbar o primeiro selo, eu digo a você, Guilherme, que esse carimbo é um carimbo do progresso do nosso País, representado pela selagem que vocês acabaram de produzir.

Muito sucesso a todos. Vamos continuar trabalhando.

por Portal Planalto —

Fonte : Planalto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *