Dirigente da Unesco diz que saída está na sociedade verde

É preciso repensar a relação entre ciência e sociedade para viabilizar as ações necessárias para a sustentabilidade global. Mas a ciência para a sustentabilidade já está sendo construída, afirma a diretora da Divisão de Políticas Científicas da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Lídia Brito, que, em vez de economia verde, defende a ideia de sociedade verde.

De acordo com Lídia, ex-ministra da Ciência de Moçambique, o novo paradigma para a sustentabilidade global requer um cientista cada vez mais multidisciplinar e mais participativo na sociedade.

Em entrevista à Agência Fapesp, Lídia explica que uma das conclusões da comunidade científica é a de que o mundo entrou em uma nova era denominada Antropoceno – uma era de interconexões, em que a acidificação do oceano, por exemplo, não é algo particular que atinge um único país ou região. "Trata-se de uma era em que o homem é a maior força a conduzir os destinos do planeta." Então, ressalta, fica clara a nova responsabilidade do ponto de vista da humanidade em relação ao planeta.

Para Lídia, a tecnologia tem um papel importante no processo de desenvolvimento sustentável. "Mas, por si própria, a tecnologia não dá conta. Ela tem de ser acompanhada por uma transformação social e uma consciência e um compromisso social de que temos que trazer a sustentabilidade global como algo que tem de fazer parte do nosso próprio tecido."

Lídia defende a ideia de se construir uma sociedade verde em vez de se falar em economia verde. " discussão não deve ser sobre só economia" afirma. "O que temos certeza é que, no Antropoceno, não é possível falar apenas de um dos blocos do desenvolvimento sustentável. A economia não pode ser discutida sem as questões sociais, culturais e ambientais. Elas estão interligadas e não podem ser tratadas de forma independente. Fico satisfeita com os cientistas brasileiros, que não querem falar apenas em economia. Temos de falar em sociedade verde, para destacar essa força de mudança."

Fonte: Terra