Diálogo entre o governo e agronegócio será desafio para novo ministro da Agricultura, diz Kátia Abreu

Fonte: Globo Rural

Para presidente da CNA, embora Mendes Ribeiro não seja um produtor rural, ele entende os problemas do agronegócio

por Agência Brasil

Agência Brasil
De acordo com a senadora Kátia Abreu, um dos principais desafios de Mendes Ribeiro, será o de fazer a ponte entre o Congresso e a presidente Dilma

O novo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho(PMDB-RS), é um conhecedor das expectativas doagronegócio e pode vir a ser um “importante interlocutor” do governo na estruturação de uma política agrícola mais moderna. A avaliação é da presidenta da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (DEM-TO).
Segundo ela, Mendes Ribeiro, que até esta quarta-feira (18/8) era líder do governo no Congresso, votou com os interesses do setor em vários momentos. “Até mesmo porque o seu estado tem uma força muito grande do agronegócio.”
Embora o novo ministro da Agricultura não seja um produtor rural, Kátia Abreu destacou que ele entende os problemas do setor, justamente por ser de um estado onde o setor agrícola tem grande importância.
De acordo com a senadora, um dos principais desafios de Mendes Ribeiro, em seu início de gestão, será o de fazer a ponte entre o Congresso e a presidente Dilma Rousseff nas negociações do novo Código Florestal, em tramitação no Senado.
“Tenho certeza que ele tem ótima relação com a presidente. Essa afinidade entre o ministro e a presidente o fortalece e sua opinião pode prevalecer em várias circunstâncias”, assinalou Kátia Abreu. Por isso, acrescentou, tenho certeza que essa proximidade vai ajudar nas negociações envolvendo o setor.
Quanto à nova política agrícola, ela disse que já há um acordo praticamente formatado com o Banco do Brasil,Ministério da Agricultura e Ministério da Fazenda. A proposta, completou, aguarda apenas uma decisão da presidenta. O grande empecilho para a sua implementação, ressaltou a senadora, é a aprovação do novo Código Florestal pelo Congresso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *