DIFERENÇAS NA MATEMÁTICA DA SAFRA DE SOJA NO ESTADO

O mais recente levantamento da safra de soja, apresentado na abertura da Fenasoja pela Emater, apontou que o Estado deve colher 17,09 milhões de toneladas, volume 8,1% menor do que o do ano passado, mas acima de balanço no início deste mês, quando estimava 16,9 milhões de toneladas.

Confirmado esse resultado, o Rio Grande do Sul colheria sua segunda maior produção de grãos. Mas o panorama traçado pelo órgão difere em quase meio milhão de toneladas da pesquisa feita pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que projeta 16,64 milhões de toneladas.

– Não se confirmaram algumas perdas por doenças, como a do mofo branco, que estávamos prevendo para a região norte do Estado – pondera Lino Moura, diretor técnico da Emater.

Ele diz que no próximo dia 10 será feito o fechamento oficial dessa conta – na última quinta-feira, a Emater projetava que 91% da área cultivada já havia sido colhida.

Em tese, os números ainda podem ser revisados, mas Moura não trabalha com a perspectiva de ajustes muito significativos, salvo alguma mudança drástica no tempo, com longos períodos de chuva, que poderiam prejudicar as poucas lavouras que ainda restam.

A Conab deve terminar nesta semana a coleta de dados para novo estudo, a ser divulgado na semana que vem.

– O que temos observado agora é que há tendência, na área das Missões para cima, de algum acréscimo de produtividade – afirma Alexandre Rocha Pinto, gerente de Desenvolvimento e Suporte Estratégico da Conab no RS.

Os números divulgados no início de abril, revisados para baixo, retratavam os efeitos da estiagem na Metade Sul. A diferença de produtividade estimada entre Conab e Emater é de uma saca.

A razão para o descompasso pode estar na metodologia utilizada.

Mesmo com produção menor em relação ao ano passado, a soja segue alimentando projeções otimistas.

– O preço está bom. Essa commodity vem a somar na retomada da nossa economia – avalia Alexandre Maronez, presidente da Fenasoja.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *