Desmatamento zero – REPÓRTER BRASÍLIA

A meta de desmatamento zero na Amazônia, da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, originou-se de uma proposta apresentada pelo ex-ministro Luís Fernando Cirne Lima, num pronunciamento feito durante a Expointer de 2019. Em evento da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), ele sugeriu essa moratória para a floresta amazônica, a redução das áreas de plantio do agronegócio e aumento da produção com emprego de tecnologia mais avançada. No segundo semestre, com a intensificação da seca no Brasil equatorial, há intensificação espontânea das queimadas. Como se recorda, Cirne Lima foi o criador da Embrapa, a empresa púbica de ciência e tecnologia que alavancou o surgimento da agropecuária moderna no País, convertendo o Brasil de importador de alimentos em segundo maior produtor mundial.

Segurança pública O deputado federal gaúcho Mauricio Dziedricki (PTB, foto), que acompanha de perto as denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes, elogia a operação das polícias Civil e Federal, realizada no Rio Grande do Sul, que prendeu oito pessoas por pedofilia. O parlamentar destaca que, nessa época de pandemia e isolamento social, aumentaram os casos de pedofilia.

Cadastro de pedófilos "A maioria dos casos de exploração de crianças e adolescentes, acontece no núcleo familiar e envolve parentes ou conhecidos, " revela o congressista. Segundo Mauricio Dziedricki, a cada 24 horas, 320 crianças são abusadas no Brasil. Ele também defende a aprovação do projeto, de sua autoria, que prevê a criação de um cadastro de pedófilos, para fortalecer o combate a esse tipo de crime no País.

Câmara debate fake news Projeto do Senado de combate a notícias falsas, começa a ser debatido na Câmara, onde deverá sofrer modificações. Entre outras medidas, a proposta restringe o funcionamento de contas geridas por robôs e determina a criação do Conselho de Transparência e Responsabilidade na Internet.

Transparência na Internet O texto em discussão cria medidas de combate à disseminação de conteúdo falso nas redes sociais, como Facebook e Twitter, e nos serviços de mensagens privadas, como WhatsApp e Telegram, excluindo-se serviços de uso corporativo e e-mail. Institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet. As medidas serão aplicadas para as plataformas com mais de 2 milhões de usuários, inclusive estrangeiras, desde que ofertem serviços ao público brasileiro.

Decidir sem medo "Essas redes sociais politizadas querem gerar medo. Se não tivermos a coragem de organizar um texto que dê limites e punição, vamos ter problemas mais graves no futuro", acentuou Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!