Descoberta pode reduzir impacto de agrotóxicos

O uso indiscriminado de agrotóxicos gera uma série de impactos ao meio ambiente. Dependendo da forma como são aplicados e da dose empregada nas plantações, os produtos podem se acumular no solo, rios ou nas próprias hortaliças, afetando insetos que vivem no local, como as abelhas, e poluindo recursos hídricos. Os riscos também atingem os seres humanos, que podem se intoxicar pela exposição aos agroquímicos ou pelo consumo de alimentos contaminados.

Encontrar alternativas para eliminar esses compostos depositados na natureza foi o que motivou pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (Iqsc) da Universidade de São Paulo (USP) a estudarem bactérias do gênero Bacillus extraídas da superfície das folhas da laranja. Eles descobriram que esses mi-crorganismos produzem enzimas capazes de biodegradar dois pesticidas utilizados no País: Bi-fentrina e o Fipronil.

Como as bactérias habitam o mesmo ambiente onde os produtos químicos são aplicados e, mesmo assim, se mantêm "vivas", a hipótese era de que elas conseguissem eliminar os agro-tóxicos. Para comprovar a teoria, eles realizaram inúmeros testes no Laboratório de Química Orgânica e Biocatálise do Iqsc.

Diversas espécies de Bacil-lus extraídas de folhas de laranja de uma plantação em Tabatinga (SP) foram colocadas em frascos que continham pequenas amostras dos agroquímicos. Após cinco dias de experimentos, alguns resultados chamaram a atenção: a bactéria Bacillus amylolique-faciens conseguiu biodegradar 93% do Fipronil, enquanto a bactéria Bacillus pseudomycoi-des eliminou 88% da Bifentrina. (Jornal da USP)

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!