Dependência

O trigo lançou as bases da moderna agricultura gaúcha, ainda na década de 1950. Com a cultura, vieram as cooperativas, a mecanização, a utilização intensiva de agroquímicos,o seguro agrícola e a pesquisa de variedades resistentesao clima do Sul.
Desde então, a triticultura tem reinado, quase solitária, como a principal atividade agrícola do inverno gaúcho. E aí é que está o problema. Em todos esses anos, nenhuma outra cultura conseguiu se impor como uma alternativa viável ao trigo.
Cevada, canola, aveia, diversas opções têm conquistado grupos de produtores aqui e acolá, em diferentes momentos. Mas a verdade é que a agricultura gaúcha continua extremamente dependente do trigo nos meses frios. O que não é bom para a economia do Estado, porque, apesar de todos os avanços da pesquisa, o cereal ainda é muito sensível à instabilidade climática do inverno meridional.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.