Demandas de MT para o Plano Safra

 

Propostas entregues ao Mapa foram discutidas pela Aprosoja, Acrimat, Ampa e Famato

Nesta quarta-feira, 30, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) de Mato Grosso protocolou junto ao Ministério da Agricultura o documento elaborado pelas entidades representativas do agronegócio mato-grossense com as demandas para o Plano Safra 2016/2017..
“O governo precisa conhecer nossas particularidades para criar um plano que beneficie os produtores rurais de Mato Grosso, tão importantes para a economia brasileira”, afirma Endrigo Dalcin, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja-MT).
As propostas foram discutidas em conjunto pela Aprosoja, Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) e Federação da Agricultura e Pecuária (Famato) no Conselho de Desenvolvimento Agrícola do Estado.
A Aprosoja entende como uma das prioridades o aumento do limite de crédito por CPF do produtor rural. Atualmente, o limite é de R$ 1,2 milhão, o que inviabiliza o custeio para produtores que têm áreas maiores que 500 hectares. “Segundo estudos, 63% dos produtores de Mato Grosso tem áreas maiores e, pelo custo operacional atual, os recursos disponíveis são insuficientes”, explica Frederico Azevedo, gerente da comissão de Política Agrícola da entidade.
No Plano Safra 2014/15, os produtores rurais tinham o chamado “extra teto”, uma opção de contratar um valor acima do limite dependendo de suas práticas sustentáveis econômica e ambientalmente. Naquele ano, cada prática sustentável dava direito a 15% acima do crédito, chegando ao limite de 45%. No último Plano Safra esta opção foi cancelada e a Aprosoja solicita ao Mapa que retorne ao PAP 2016/17.
Em relação ao seguro rural, a reivindicação da associação é que a obrigatoriedade seja revogada. De acordo com a cartilha de crédito agrícola do Mapa, todos os produtores rurais que contratarem custeio agrícola a partir de 1º de julho deste ano estarão obrigados a adquirir o seguro rural. “A entidade acredita que o seguro rural precisa ser melhor trabalhado, com contratos mais simples, maior nível de cobertura e subvenção para contratos de renda”, explica Emerson Zancanaro, coordenador da Comissão de Política Agrícola da Aprosoja.
Outro ponto importante é a alteração do preço mínimo para soja, milho e algodão que, no entendimento das associações, encontra-se defasado. As demandas de Mato Grosso para o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2016 estão no site da Aprosoja.

 Portal DBO com Ascom Aprosoja

Fonte: Portal DBO