Demanda global deverá superar produção em 2018/19

Em meio à previsão de queda na produção mundial de trigo, a safra 2018/19 poderá apresentar o primeiro déficit global em seis anos, o que já leva as cotações do cereal a acumularem alta de 14% desde o início do ano na bolsa de Chicago.

Segundo o Conselho Internacional de Grãos (IGC), o volume colhido no mundo deverá somar 739 milhões de toneladas neste ciclo – 6 milhões abaixo da demanda prevista pelo órgão. Já o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) estima queda de 1,43% na produção mundial, para 747,46 milhões de toneladas, com um déficit também de 6 milhões de toneladas.

A maior preocupação do mercado está concentrada na produção do trigo duro, considerado de maior qualidade devido ao seu maior teor proteico. A variedade deverá puxar a queda na oferta mundial em meio ao atraso no plantio da safra 2018/19 nos EUA.

"Tivemos uma safra de trigo muito boa no ano passado, puxada por EUA e Rússia. Mas quando olhamos para as regiões produtoras de trigo de maior qualidade, que são o Norte dos EUA, o Sul do Canadá e a Austrália, tivemos grandes crises de seca", diz João Macedo, da FCStone.

O cenário se repete este ano, com o plantio do cereal de primavera atrasado e condições abaixo da média nas lavouras de inverno. Com isso, o analista estima queda de quase 23% na produção de trigo duro dos EUA na safra 2018/19, para 15,7 milhões de toneladas.

Por outro lado, Macedo afirma que o plantio no país ainda está indefinido. Entre os fatores para esta situação, estão a alta do petróleo e o aumento do mandato de etanol de milho nos Estados Unidos, o que poderá elevar a demanda por trigo para a alimentação animal. Segundo o USDA, a produção americana deverá somar 49,57 milhões de toneladas em 2018/19, ante 47,37 milhões de toneladas no ciclo 2017/18.

"O mercado trabalha em cima da projeção do fato e ela hoje aponta para uma mudança de paradigma – e os preços estão refletindo isso", explica Índio Brasil dos Santos, analista da Solo Corretora.

Por Cleyton Vilarino | De São Paulo

Fonte : Valor