Degradação ambiental prejudica o rio Doce

A degradação ambiental afeta profundamente uma das bacias hidrográficas mais importantes do Brasil, a do rio Doce, em Minas Gerais e Espírito Santo. Por falta de vazão suficiente para girar as turbinas, a Cemig e a Vale estão desligando duas hidrelétricas na região – Aimorés e Porto Estrela (que também é da Coteminas) – em certos horários.

Também por falta de água, em Governador Valadares (MG) a produtividade do gado foi reduzida da média histórica de quatro cabeças por hectare para menos de 0,5 cabeça. No Espírito Santo, há áreas em que a demanda por água é de 10% a 60% superior à disponível.

Com área de cerca de 83 mil quilômetros quadrados, a bacia do rio Doce é intensiva em siderurgia, agropecuária e produção de energia. Para tentar mudar a situação, os governos dos dois Estados assinaram o protocolo de um plano de revitalização da bacia, que exigiria investimentos de R$ 19 bilhões

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Fonte : Valor Econômico | Por Rodrigo Polito | Do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *