DANILO UCHA – Insegurança da cidade chega ao campo no Rio Grande do Sul

Solto no campo, isolado, o gado é presa fácil para ladrões no Interior

Solto no campo, isolado, o gado é presa fácil para ladrões no Interior

O crescimento da insegurança nas cidades assaltos, roubos de automóveis, furtos, tiroteios e assassinatos está se repetindo também no campo. Fazendeiros e agricultores de várias regiões do Estado informam que assaltantes tem invadido fazendas e lavouras roubando gado, produtos agrícolas e até máquinas. Geralmente, agem à noite, mas, em alguns casos, em áreas mais isoladas e despovoadas, até de dia, ameaçando os proprietários e seus empregados, levando dinheiro e pertences pessoais. Se nas cidades falta policiamento, no campo não existe, diante das longas distâncias e da pouca densidade populacional. Em 2009, o então ministro da Justiça, o gaúcho Tarso Genro (PT), prometeu que o Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasci) combateria o roubo de gado no Rio Grande do Sul. Pouco ou nada foi feito. Há uma estatística: o abigeato gera prejuízos de R$ 1,5 milhão, de dois em dois anos, para grandes, médios e pequenos proprietários rurais. O deputado federal Afonso Hamm (PP) apresentou projeto de lei, na Câmara dos Deputados, aumentando as penas para os ladrões de gado, mas, enquanto não houver policiamento rural e fiscalização sobre os abates clandestinos, eles, certamente, não deixarão de agir.

Ranking Agas

As empresas supermercadistas que se destacaram, em 2015, serão premiadas na festa do Ranking Agas, dia 13 de abril, no Grêmio Náutico União. Também serão destacadas agências de publicidade que mais contribuíram para o desenvolvimento do varejo gaúcho nas áreas de indústria, serviços, varejos e entidades de classe.

Frango para a China

Agroindústrias exportadoras, empresas em processo de habilitação e interessadas no mercado chinês estarão reunidas com representantes da empresa chinesa China Invest, que quer aumentar as compras de carne de frango para a Ásia. O encontro, dia 5 de abril, às 14h, na Associação Gaúcha de Avicultura, é coordenada pelo V Avisulat – Congresso e Feira Brasil Sul de Avicultura, Suinocultura e Laticínios – Feira de Equipamentos, Serviços e Inovação. Serão apresentadas plataforma comercial na China e informações sobre importação de alimentos e avaliação do processo de habilitação para o mercado chinês.

Derrocada

Análise do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Indústria (Iedi) mostra que em 2015 a indústria continuou em queda livre, retrocedendo a patamares de 2005, especialmente no segmento de maior intensidade tecnológica, o mais importante para a afirmação de qualquer país em um cenário mundial cada vez mais competitivo. A indústria de transformação brasileira encolheu 9,9%, com dezembro apresentando queda de 11,9% frente a dezembro de 2014 e o último trimestre, recuo de 12,4% em relação a igual período do ano anterior. O resultado do acumulado em 12 meses de dezembro último foi o menor registrado desde maio de 2005, mais de 10 anos atrás, segundo comentário da Associação dos Engenheiros da Petrobras, preocupada com os retrocessos da companhia.

CAR

Faltam pouco mais de 30 dias para encerrar o prazo (se não for prorrogado) que os proprietários rurais brasileiros têm para fazer seu registro no Cadastro Ambiental Rural. Quem não o fizer perderá, entre outras coisas, o direito ao crédito rural. A Federarroz montou um esquema especial para ajudar os arrozeiros a fazerem seus registros. Informações em anderson@federarroz.com.br ou pelo telefone (51) 3211.0879. Na Câmara dos Deputados, fala-se em prorrogar até 2018.

Mais carga

O Tecon Rio Grande, terminal de contêineres, movimentou mais carga nos dois primeiros meses neste ano do que no mesmo período de 2015. Foram 110,7 mil TEU, que representaram um incremento de 11,3%. As principais mercadorias foram resina, tabaco, celulose e frango congelado, para destinos como Extremo Oriente, América do Norte e Europa.

Ameaça

O governo brasileiro ameaçou as empresas petrolíferas que, nos últimos seis meses, pararam a produção em suas áreas. O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, determinou à Agência Nacional do Petróleo que notifique tais concessionárias "para que restabeleçam a produção nos próximos 12 meses ou transfiram os direitos sobre esses campos a empresas que se comprometam a cumprir a produção, caso contrário a concessão será extinta". O problema é que o preço do petróleo, em queda, não compensa o custo da extração.

Lajeado

O advogado Miguel Arenhart será o novo presidente da Associação Comercial e Industrial de Lajeado. Substituirá o advogado Alex Schmitt.

MARCO QUINTANA/JC

Painel Econômico
DANILO UCHA
Painel Econômico

Fonte : Jornal do comércio

Compartilhe!