DANILO UCHA

Um novo mundo: azeites e vinhos

DANILO UCHA/JN/ESPECIAL/JC

Luiz Eduardo Batalha examina as azeitonas

Luiz Eduardo Batalha examina as azeitonas

O município de Pinheiro Machado, que já tem oito projetos de vitivinicultura e dois de olericultura funcionando, poderá ganhar mais alguns, transformando totalmente a economia da região, hoje dominada pela pecuária e silvicultura. Uma comitiva de empresários, proprietários de terras e enólogos, liderada pelo empreendedor paulista Luiz Eduardo Batalha (um dos maiores criadores de gado Nelore e Angus do Brasil), que já tem investimentos em gado, cavalos, ovelhas, oliveiras e vinhos na região, passou 10 dias nos Estados Unidos, visitando propriedades e indústrias, na Flórida e na Califórnia (Napa Valley) para conhecer como os americanos produzem vinhos, azeitonas e azeites e, principalmente, como sabem vender seus produtos envolvendo-os em charme e sofisticação, além, é claro, da qualidade de primeiro mundo.

Azeites e vinhos II

A comitiva, constituída pelos enólogos e proprietários de vinhedos Rossano Lazzaroto, Carlos Eduardo Garcia Seronni e Anderson Schmitz, mais os empresários e proprietários rurais Marcos e Mauro Balinhas e Gilson Mesko, visitaram seis plantações e indústrias de azeitonas e azeites, entre as quais as maiores dos Estados Unidos — Corto Olive Co., Corti Brothers, ENE Inc., Mcevoy Ranch, entre outras — e mais de 10 vinícolas de grande porte, como a de Francis Ford Coppola, a Charles Krug, de Peter Mondavi Jr., a Sterling, a Castello di Amorosa e outras, que impressionaram pela produção e, especialmente, pelo marketing para venda de azeites e vinhos. Os investimentos são fabulosos em publicidade e nas instalações de alto luxo para receber turistas. Cada unidade parece um palácio.

Azeites e vinhos III

O Projeto Guarda Velha, de Luiz Eduardo Batalha, em Pinheiro Machado, já conta com 200 hectares de oliveiras e colocou o primeiro azeite no mercado neste ano. Em 2015, apresentará o primeiro vinho, a partir de uma área  de 78 ha, 10 ha já plantados com videiras Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Sauvignon Blanc e Riesling Grecheto. Também haverá aumento na área com oliveiras. Mas a ideia é maior. Além de incentivar os proprietários rurais da região a entrarem nesta nova economia, a intenção é criar um polo industrial com outros produtos derivados do azeite e do vinho — inclusive cosméticos, alimentos e sucos de uva — que exprimam o terroir da região, que possui um microclima único, na área de transição entre a Serra do Sudeste e a Campanha. Batalha já aplicou R$ 3 milhões no projeto e pretende duplicar o investimento nos próximos anos. Inicialmente, serão produzidas 100 mil garrafas de vinhos diferenciados, e o lagar tem capacidade de 500 mil litros/ano de azeite, com azeitonas próprias e dos parceiros.

Azeites e vinhos IV

Dino Cortopassi, da Corto Olive Company. DANILO UCHA/JN/ESPECIAL/JC

Como o projeto é de grande envergadura, os empresários fizeram questão de ver as modernas máquinas utilizadas na olericultura dos Estados Unidos, especialmente as de poda, de colheita mecânica e de esmagamento, como na Corto Olive Company, que planta 1.500 hectares e tem quatro linhas de esmagamento, com capacidade de processar 7 mil quilos/hora, produzindo 3 milhões de litros de azeite/ano, trabalhando apenas 40 dias por ano, pois este é o tempo da colheita das azeitonas. O proprietário da Corto, Dino Cortopassi, deixou os gaúchos mais entusiasmados quando falou sobre o mercado do azeite. Os Estados Unidos consomem 9% da produção mundial de azeite e produzem apenas 3% do que necessitam. O consumo é de 1 litro por pessoa, enquanto no Brasil é de cerca de 0,2 litros/habitante/ano, com forte tendência de crescimento. Espanha, Itália, Grécia e Portugal dominam a produção mundial de azeite, mas o volume não é suficiente para atender a demanda mundial, abrindo espaço para o Novo Mundo, como Chile, Argentina, Uruguai e Brasil.

O Dia

  • A Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social comemora 23 anos nesta quinta-feira. É executora das políticas públicas de trabalho, emprego e desenvolvimento social do Estado.
  • A FEE divulgará os resultados da Matriz Insumo-Produto do Rio Grande do Sul, ano-base 2008, às 14h30min, em seu auditório.
  • O Grupo Ábaco receberá o selo Empresa Amiga do Meio Ambiente 2014 da Fundação Desenvolvimento Ambiental, da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha.
  • O projeto Construção Cultural do Sinduscon/RS vai receber o Top de Marketing na categoria cultura, pelo restauro dos monumentos do Parque Farroupilha de Porto Alegre, apresentações musicais gratuitas e publicação de um livro comemorativo, às 18h30min, no Bourbon Country.
  • A Braskem foi selecionada pelo 10º ano consecutivo para integrar a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa, que avalia as ações das empresas no mercado brasileiro com boa gestão em sustentabilidade.
  • Alberto Guerra, sócio do Guerra IP e delegado brasileiro da  Asociación Interamericana de la Propiedad Intelectual, está no México, nas Jornadas de Trabalho e Conselho de Administração da entidade.

Fonte: Jornal do Comércio |

DANILO UCHA
ucha@jornaldocomercio.com.br
Painel Econômico

Coluna publicada em 27/11/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *